Posts Tagged ‘Política’

A política: lugar de desgoverno sem fim?




A confusão se amplia. Muito choro, muitas velas. Não há como ser ausente às tantas idas e vindas da história. Existe quem exija objetividade e segue mandamentos cartesianos. A justiça se torna a letra exata, ditada pelas inteligências supremas. Desconfio. O que menos sobrevive é a certeza. A sociedade está dividida e repleta de análises […]




Share Read the rest of this entry »

Temer: os ruídos do apocalipse gravado




  Temer é chocante. Faltam sensibilidade e consciência mínima. Precisa de fazer um curso com Descartes e ouvir uns conselhos de Freud. Reclama das injustiças e quer ser visto como salvador. Uma figura que merecia uma ficção de terror. Assombra o Brasil, não sei se assusta Marcela. No entanto, possui parceiros estranhos. Penso no individualismo […]




Share Read the rest of this entry »

Desmanches: a sociedade se reparte e adoece




  Não há como evitar a existência do poder. Organizar a sociedade é fundamental. O importante é pensar que há muitas formas de escolher caminhos. Lembrem-se dos romanos desconsiderando os povos bárbaros, das fundações da democracia grega e moderna, das utopias do século XIX, da sede de conquista de Hitler. São sugestões de projetos diferentes. […]




Share Read the rest of this entry »

FHC, Dória e Huck : o novo é o descartável?




Estamos sem saber como cantam os pássaros. As paisagens parecem cinzentas e a praça desabitada. Muito movimento nas ruas em busca de mercadorias. Ninguém se toca, mas não deixa de lado o celular. As famílias formam instituições diferentes. Programa-se uma criação de cães minados; Filhos podem trazer complexidades. As palavras voam, batem em panelas, adormecem […]




Share Read the rest of this entry »

O jogo da memória: saberes e narrativas




O esquecimento ajuda a deixar dores antigas, mas não há esquecimentos absolutos. A memória joga com entrelaçamentos e surpresas. A linearidade não se firma. As lembranças aparecem e desaparecem. Não sabemos quando elas retornam. Algumas incomodam, outras nos enchem de prazeres. Nosso domínio sobre a vida e suas aventuras é frágil. Temos muitas perguntas, lamentamos […]




Share Read the rest of this entry »

Espiar a história, sentir o mundo, escutar o tempo




  Os ruídos são muitos. Não há silêncio, só vozes ou buzinas de carros. A televisão ajuda na diversão ou na apatia. Parece que as saídas foram bloqueadas e as armadilhas enchem cada rua. Não sei se vale questionar tudo, cruzar feitiços e acreditar em evangélicos com verdades milionárias e honestidades mascaradas? Eles povoam as […]




Share Read the rest of this entry »

O mundo das quadrilhas mirabolantes




A quantidade de bancos explodindo assusta. Uma devastação que nos deixa perplexos. Prendem trés, quatro, mas o suspense continua. Muita grana solta e as pessoas aflitas não sabem o que fazer. Cada cidade atacada é um terremoto. No meio de uma economia combalida, a segurança tornou-se um problema sem fim. Tudo feito com grande eficácia. […]




Share Read the rest of this entry »

Choques e disfarces: jogo tenso da violência e da política




É difícil caminhar sossegado pelas ruas. Os ruídos do carnaval estão salientes. As multidões se preparam para folia e as cervejas mostram-se dispostas a aliciar foliões. A festa se aproxima como uma homenagem a um belo delírio fugaz. A sociedade está mesmo tensa. A violência é veloz e visita o mundo. Assaltos cotidianos aos ônibus, […]




Share Read the rest of this entry »

A universidade: entradas, saídas, levitações




  Conhecer os segredos do mundo é um desafio que abraça a cultura. Não basta acumular informações, descrever manchetes, engolir filmes com cheiro de pipoca. Existem muitas histórias e o trem da verdade é feito de madeira vulnerável. Quem se abala em saber que as mentiras circulam? Seria difícil uma sociedade produtora de saberes transparentes. […]




Share Read the rest of this entry »

Ressentimentos: a política descosturada e narcísica




Usar a agressividade faz parte da convivência. Há, porém, extremos. Quando o diálogo morre, as palavras se perdem, cegam-se os olhos.  As ruínas continuam insistindo que a política não é uma harmonia. Cria-se um sonho que declina e termina assustando. Pode transformar-se numa violência estéril, anônima, em busca de inventar um medo que paralisa e […]




Share Read the rest of this entry »