Posts Tagged ‘Política’

A quebra da história: o rio amargo

Somos animais sociais. Sempre repito. Não acho que seja uma dádiva inesgotável. Existem outros animais, talvez até mais sábios e cuidadosos. Nós vivemos trocando favores, afetos, invejas, ressentimentos. O mundo pantanoso faz com que o caminho seja traiçoeiro. Não faltam as desconfianças e as sociabilidade. Há permanências, porém não temos o domínio do tempo. Hoje, […]

Read the rest of this entry »

A busca de saídas e entradas na política

  A imaginação não pode ser descartada. Repetir o passado sem reflexão é melancólico. É preciso, portanto, buscar caminhos, movimentar a história. O Brasil passa por crises contínuas. O governo se encastelou, ameaça, sente-se soberano. A justiça tem vacilos. Não é  sem razão que a perplexidade cria raízes. Muitas passeatas, paralisações, discursos, análises, ocupações. Encontrar […]

Read the rest of this entry »

Os trapézios da história: a incompletude, o tempo, o desejo

Sinto falta dos circos de antigamente. Tenho memória prazerosa. Lembro-me dos detalhes. Firmavam-se admiração e suspense. Os trapezistas me deixavam perplexo. Era uma síntese da vida e não  percebia. O voo de cada trapezista trazia febre no coração e frio na barriga. Saía exultante. Como seria bom que aquele espetáculo não se acabasse… Mas a […]

Read the rest of this entry »

Estamos tontos ou perdidamente cínicos?

Sou descrente com relação a muitas coisas. Fico triste, quando vejo tantos desencontros. Não vivo de ambições, já rompi com o berço esplêndido. Repito sem consternação: uma sociedade tomada pelo capitalismo se afunda afetivamente. Daí, a violência, as amargura, a inveja, o desprezo pelos outros. Sei que é um máquina poderosa e há quem admire […]

Read the rest of this entry »

O feitiço desmancha a política?

Certos jantares trazem a fantasia e o desejo de poder. Alimentam o pragmatismo perverso. Num país que vive tantos desafetos, ainda se tem o cinismo de celebrar conspirações. Sinto, às vezes, dificuldade de respirar. Não sei se há bruxarias soltas, inquisições preparadas, congelamento de coragens. Não tenho dúvidas que o abismo é grande. Não registro […]

Read the rest of this entry »

A política de todos os oceanos

Não se podia esperar travessias menos amargas. Tudo está muito confuso, complexidades inesperadas.Há surpresas que atormentam. Não temos condições de votar pelos outros. Seria um caos. A política é uma escolha com objetividades precárias. Nem sempre a lucidez ganha espaço, os ressentimentos viajam pelos corações. A sociedade é território da diversidade. É lamentável que Dória […]

Read the rest of this entry »

O fascismo tem memória, a política se desengana

Sentir as agitações do mundo não é fácil. Há muitos desenganos, a sociedade não consegue arrumar seus caminhos. Surgem inquietudes, sinais de que o bem e o mal estão de mão dadas , mas se estranham. Durante muito tempo, se dizia que os erros humanos podiam ser reconsiderados. Eles eram descuidos, falta de convívio com […]

Read the rest of this entry »

A história não se acanha e o tempo não para

    Adianta sempre repetir que a história é construção. Não é homogênea, está cheia de ruínas, vive desencontros e surpreende. Acontecem coisas que nos deixam tristes e outras que nos chamam para a alegria. É difícil se equilibrar, ouvir ruídos inoportunos, observar mudanças superficiais, assistir aos golpes dos azares articulados. Desistir e achar que […]

Read the rest of this entry »

Inferno e hospício: a política das tensões inesperadas

Governar não é fácil. A complexidade continua tomando conta das relações de poder. Preparam-se armadilhas que são mortais. Deixam a perplexidade correr pela mídia. Um dia se vai aos céus, o outro dia sinaliza-se com a catástrofe. Não há, portanto, uma ética, uma pedagogia , um projeto. O futuro , talvez, seja um inferno, as sepulturas […]

Read the rest of this entry »

Neymar: a vaidade no meio do caminho

  Sou torcedor do Santa Cruz. Sempre curti futebol. Jogava peladas na ruas calçadas e nas praias. Era bastante irregular, mas tinha muita garra. Divertia-me, fazia amigos, cansava o corpo e liberava o ânimo. Até 22 anos, comparecia aos estádios. Era um alívio, para se livrar das tensões. Mesmo que Santa perdesse, não deixava de viver […]

Read the rest of this entry »