Posts Tagged ‘rebeldia’

A massificação pode ser um abismo

    Os meios de comunicação são avassaladores. O poder dominante sabe disso. Movimenta-se com imensas propagandas, ocupando horários preciosos. Tenta vender um modelo e consegue convencer muita gente. Não se isola, quebra as críticas e ganha adeptos. Já havia muitas desconfianças, desde o século passado, que o mundo girava em torno das notícias. A […]

Read the rest of this entry »

O capitalismo e as distopias: desenganos

  A sociedade do consumo atravessa crises constantes e radicais. Não existe momento de estabilidade. As fervuras atiçam rebeldias, mas as mudanças não são consolidadas. Há um péssimo imenso, apesar dos protestos. A questão é definir o caminho e agir. Mas as estratégias não tem funcionado e os governos reprimem e intimidam. Daí, surgem perspectivas […]

Read the rest of this entry »

Não se engane com o capitalismo

  O campo da polêmica não deve ser esquecido. Muitos vivem distraidamente. São amigos da culpa, não se sentem responsáveis por nada. A infantilização não é rara. A sociedade atravessa por abismos e está sem conhecer o caminho mais favorável. Critica-se a corrupção, as besteiras de Temer, as injúrias de Trump. Mas o buraco está […]

Read the rest of this entry »

Golpe na rua principal

As sombras digitam mensagens confusas e desalinhadas. Veja as trilhas, os ruídos, o de dentro , o de fora,                                                 Falta quem diga não ou desconfie do que está escondido. observe que […]

Read the rest of this entry »

Rebeldias e desencantos

Abro a gramática da rebeldia, vejo páginas rasgadas e verbos inativos. Ouço risos cínicos que inquietam e admitem a soberania da farsa. Não há como deixar de acreditar na contaminação, se  as palavras esvaziam significados e anunciam a tragédia. Há memórias desfiguradas, malabarismos estranho e uma perplexidade que festeja a ordem e o progresso, sem conhecer […]

Read the rest of this entry »

Leituras e sombras

Não leia a gramática da violência, nem subestime a fabricação dos discursos. Há juízes que assumem palavras vazias e descobrem que eles desconhecem o sensível. As sombras vestem as histórias confusas, indefinem a vida e enaltecem o pecado. Deite-se na imaginação da rebeldia, conte as formas das cores dos exilados, não dispense a coragem e […]

Read the rest of this entry »

As rebeldias e as ocupações: leituras e ousadias

A sociedade se move, porque é preciso refletir e não se intimidar com o cotidiano. Os exageros do consumo, as ambições imobiliárias, as vaidades intelectuais, as ingenuidades solitárias fazem parte da história. Não dá para construir um divisão fixa e apostar numa uniformidade produtora de harmonias. O mundo não se cansa de multiplicar relações e […]

Read the rest of this entry »

O ofício do historiador: as travessias e os destinos

Quem pensa que está tudo escrito pode sentir surpresas e desmontar-se. Sei que muita gente mergulha nas fatalidades:prevê o futuro como um jogo de cartas marcadas. Engana-se com alguns sinais que se repetem e desiste de descobrir. Fica curtindo o mesmo som e se veste de uma melancolia perene. Não é que a vida seja […]

Read the rest of this entry »

Os sustos da vida, os sustos da morte

O tempo puxa a vida. Não há como se fixar e voltar ao passado. Não faltam lembranças, mas o futuro nos aguarda. Como serão as relações? Há gosto em se envolver com o acaso e deixar fluir o momento como uma batida de asas de um beija-flor? Há formas de controle que nos garantam estabilidade? […]

Read the rest of this entry »

Sentimentos repartidos e vadios

Multiplique a solidão pelo eco da paisagem inquieta. Cada coração não mede o tamanho do seu segredo, envolve-se com a imagem do espelho, com o desejo de eternidade. Multiplique os números e reparta os sentimentos dispersos. Cada trilha está sinalizada com as geometrias do acaso. Não use o disfarce para sossegar a rebeldia, nem fuja. […]

Read the rest of this entry »