Posts Tagged ‘revolução’

O peso das utopias revolucionárias

  As frustrações políticas trazem tensões. Busca-se inventar um messias ou se cai em populismos infantilizados.A sociedade vive momento de desequilíbrios dantescos. Não se estimula o diálogo, mas a intriga e a festa irresponsável nas redes sociais. Há perplexidades, pois não se discute o tamanho das mentiras. As palavras pesadas são utilizadas por governistas com […]

Read the rest of this entry »

A rebeldia tem moradias não parisienses

  Há retornos como dizem os saudosos. Muitos liberais festejam a possibilidade de vencer a chamada esquerda e partir para soltar de vez a economia. Cá está Guedes com sede avassaladora. Mas há contrastes. A Argentina não anda bem e não consegue resolver questões esportivas. Na França, surgem ataques ao governo, choques com a polícia, […]

Read the rest of this entry »

De onde vem a revolução?

  Os gregos aristotélicos não pensaram na revolução. Havia mitos e deuses com travessuras, mas nada de transformar radicalmente o mundo. A história passa. Nos tempos do iluminismo,a burguesia quis assegurar seu lugar político. Precisava tomar conta da sua riqueza, dá uma empurrada nas tradições da nobreza. Organizava-se para introduzir práticas diferentes, invadir a economia […]

Read the rest of this entry »

Marx não desmoronou

Há pensadores que sobrevivem e não são abndonados. Marx é um deles. Consegue manter suas críticas válidas e ser admirado por militantes. As frustrações das revoluções socialistas não o apagaram da  história. É claro que as políticas existem e provocam agressividades. A sociedade está sufocada, procura caminhos, encontra-se cercada por modas intelectuais imensas. O consumo é […]

Read the rest of this entry »

Desmanches: a sociedade se reparte e adoece

  Não há como evitar a existência do poder. Organizar a sociedade é fundamental. O importante é pensar que há muitas formas de escolher caminhos. Lembrem-se dos romanos desconsiderando os povos bárbaros, das fundações da democracia grega e moderna, das utopias do século XIX, da sede de conquista de Hitler. São sugestões de projetos diferentes. […]

Read the rest of this entry »

As revoluções adiadas, as escolhas indefinidas

A sociedade não consegue se equilibrar como desejam os mais otimistas. Criam-se utopias, as harmonias são cantadas, mas os conflitos firmam doutrinas e as instabilidades queimam corpos. Não há um mundo sem diferenças e elas trazem contrapontos. Há quem feche os olhos, trave as portas e deixe tudo se arrumar por encanto. Não se pode […]

Read the rest of this entry »

O jogo da política e os tempos históricos: 1789 e 1968

As polêmicas não se encerram e constituem companhias da sociedade. Na modernidade, eles persistem com insistências. A população cresceu, assustadoramente, há uma diversidade de culturas e conflitos, estamos muito distantes de formular teorias que se aproximem e façam cessar as divergências. A fragmentação ganha espaço, não só nos debates acadêmicos, mas também nas conversas cotidianas. […]

Read the rest of this entry »

Não se pergunta pela revolução e suas ideias?

Um olhar despretensioso sobre os caminhos da história não deixa de avistar as transformações que refizeram culturas. Não se pode negar que nem todas confirmaram a construção de uma solidariedade. O quadro de  disputas é grande e permanente. Isso estimula desânimos, favorece a busca de crenças religiosas, renova teorias filosóficas, mantém pessimismos, modifica perspectivas utópicas. […]

Read the rest of this entry »

Quem imagina as revoluções e seus projetos?

A modernidade deu um nó nos tempos feudais. Trouxe um projeto renovador que foi se sedimentando, sem desprezar as tradições do passado. Não é possível pensar que tudo saiu da cartola de um mágico aposentado. Os gregos conseguiram reunir experiências que os construtores da modernidade não abandonaram. Houve rompimentos, mas muita coisa permaneceu. Mudam as vestes […]

Read the rest of this entry »

Celebrações datadas, afetos restritos

  Amanhã é o dia dos pais, segundo anunciam as propagandas e as lojas comerciais. Aliás, existem vários calendários. Eles organizam o cotidiano. Possuem funções burocráticas, mas também inventam afazeres e celebrações. Nas grandes revoluções, os calendários passavam por mudanças. Havia a inauguração de uma nova vida, o desejo de destruir tradições, apostar em transgressões. Nem sempre, […]

Read the rest of this entry »