Posts Tagged ‘ruínas’

As utopias se arruínam ou se reinventam?

    A busca do progresso fermentou projetos  que prometiam felicidades eternizadas. Apostava, de forma articulada,  que a sociedade fugiria das desigualdades. Acreditava-se numa grande revolução tecnológica. Houve euforias. Mas a ideologia do progresso pareceu frágil. Um festival de ilusões passou a desfilar e as explorações continuaram acontecendo. As falsificações mantinham divulgações nada saudáveis. A […]

Read the rest of this entry »

A sensibilidade encurralada

    Tudo se explica.  Muitas informações correm soltas, trazendo novidades. Não importa o que elas conseguem dizer. As conversas inquietam, mas mostram pouco afeição pela solidariedade. Portanto, os argumentos vazio nos deixam perplexos, quando reagimos diante de tantos desenganos. Mas é preciso não sacudir tudo em cima de pessoas. Temos que  construir uma leitura […]

Read the rest of this entry »

Bolsonaro: o mágico do caos?

Quem despreza a memória pode cair no pântano. Muitos adoram salvações, pois fogem das responsabilidades. A culpa amedronta e a reflexão dói. Na época de eleições  os debates se acendem. Nada de mal, trazem crítica e convivências. Passamos porém por uma situação confusa. Aparecem os sinais de ideais fascistas, populismo e se articulam greves obscuras. […]

Read the rest of this entry »

As verdades e as ruinas nos trapézios da história

A literatura desperta discussões sobre a verdade que redesenham as configurações comuns. Existir  é anunciar conhecimentos que dominem a sociedade e que provoquem sujeições constantes? Na política, os desencontros não param de acontecer. Fica difícil localizar-se e os choques são inevitáveis. Antever um mundo onde a harmonia seja um valor absoluto é um delírio. Na […]

Read the rest of this entry »

As estratégias de dominação: a natureza descuidada

Tecer os fios compridos da história exige astúcias frequentes. Nós fazemos parte da natureza, mas construímos estratégias de dominação que destroçam harmonias e paisagens. Muitos gostam de celebrar certas conquistas riscando do mapa a sensibilidade, mas consagrando a capacidade de explorar e acumular egoísmos. Ficamos soltos entre os absurdos e as magias. Mistérios, divindades, autoritarismos […]

Read the rest of this entry »

A cidade na sua agonia cotidiana e veloz

           O tempo veloz balança os conceitos. Pensar o mundo virou uma dificuldade constante. Não é possível fortalecer as relações para  que elas mergulhem em profundidades e sintam-se soltas. A incerteza atua, segue uma trilha acidentada. Não estamos querendo afirmar que há épocas cheias de harmonia ou que estamos no pior dos mundos. Assusta-nos a […]

Read the rest of this entry »