Posts Tagged ‘sentimento’

O historiador nas navegações do tempo

    Queremos soltura, mas nos assustamos com o movimentos que invadem as ruas ou quebra regras seculares. Será que temos que possuir um controle do tempo que foge aos nossos desejos? Vamos ao passado, visitamos memórias, recordamos sonhos frustrados e apontamos para o futuro com dúvidas marcantes. Esse jogo do tempo não perturba, apenas, […]

Read the rest of this entry »

Os amores vividos

Cada tempo tece suas armaduras com fios inventados no fluir da vida. Não há determinações esgotadas, nem tampouco desejos abandonados, as memórias misturam segredos, arquitetam esconderijos, desenham saudades. Os afetos atravessam minutos, mas podem fingir que conhecem eternidades. Cada vestígio do passado é uma história entrelaçada com espelhos que se renovam e o amor não […]

Read the rest of this entry »

As narrativas curvas dos sentimentos

Não pense que as palavras ganham sentido no acaso dos desenganos. Cada aventura desmedida anuncia que o sentimento não é o mesmo e que o significado tem histórias e tempos que  invadem o aparentemente inerte. Invente gramáticas, desfaça as linhas retas, deite-se nas curvas inesperadas. Há na vida silêncios que se bastam e narram a […]

Read the rest of this entry »

Sentimentos: as conversas miúdas e os amores vadios

Nunca se deixou da falar sobre os sentimentos. Mesmo no tempo em que a razão parecia inquestionável não havia como não citar  coragens, amores, frustrações. A vida não pode se resumir a cálculos e estratégias definitivas. Queremos certezas, ultrapassar obstáculos, narrar êxitos, porém não há esquecer as dúvidas e as ambiguidades. A vida é um […]

Read the rest of this entry »

Os deslocamentos da partida

No deslocamento da partida a insensatez desconhece a proximidade das perdas. As sombras das lembranças confundem-se com os esquecimentos tardios. Há aventuras em cada ilusão que a faz desenhar paraísos e apagar incompletudes. Nas histórias da vida não há tempo adormecido, nem memórias extravagantes. Cada invenção que transforma os sentimentos não garante a permanência da […]

Read the rest of this entry »

A (im)possível transparência e as ilusões da cultura

Quando tudo acontece nas proximidades, os sentimentos se mobilizam com muitas inquietações. É sempre difícil saber das medidas de suas insatisfações. Não temos controle sobre o futuro, nem somos profetas do juízo final. Por isso, há vacilações quando outras ordens são anunciadas. As análises históricas estão, na sua maioria, presas aos grandes acontecimentos. Perdemos vestígios […]

Read the rest of this entry »

Não pense nas medidas do tempo

Cada mapa desenha um território de encantos e medos. É imposível possuir olhos absolutos e palavras eternas, os significados viajam pelo tempo movidos pelos sustos. Há segredos, mas nunca definitivos, nem com acasos esquizofrênicos, pois a vida não consegue firmar vestígios, consagra a nudez e o desperdício Andar pelos caminhos que não têm curvas e […]

Read the rest of this entry »

As travessias da dor desfiam sentimentos e futuros

Falar da dor é ocupar muitos lugares do cotidiano. Todos tem algo a contar. Há especialistas. Não precisa. A dor está inserida na incompletude da vida. Descontrola e surpreende. Mas não há como evitá-la. Basta uma visita rápida pela história e encontraremos travessias esquisitas e desencontros avassaladores. Portanto, não há sentido especular que épocas merecem […]

Read the rest of this entry »

A ocultação da palavra flutuante

Poderia refazer o mundo na escrita do que não foi dito, mas as palavras não se aquietam, buscam significados. O efêmero é relativo, como a eternidade é uma extravagância. Há no sentimento uma síntese da vida que se faz história e atravessa o tempo com se não houvesse ameaças e nem mortes. Oculta-se cada dor […]

Read the rest of this entry »

Quem define as interpretações dos sentimentos?

Há dificuldades que não impedem que as histórias circulem. As pessoas vivem obstáculos, nem conseguem superá-los, mas a vida continua. Não é  à toa que se repete que a história convive com o inesperado. Quando se rompeu com o nó das profecias, as dúvidas se multiplicaram e as sociedades observaram que os dogmas têm trânsitos […]

Read the rest of this entry »