Posts Tagged ‘sentimento’

Frida Kahlo: amor e paixão

                                             Não desconfie do último suspiro,                                             nem do beijo que  tem perfume.                                             O amor não inverte a paixão, mas pede                                             sossego, serena  o  calor do coração.                                              Na cartografia do teu corpo moram                                              os desenhos dos sentimentos sem nome.                                              Deixe a razão navegar nas turbulências                                               inesperadas.                                               Ilumine o cais e estique a preguiça […]

Read the rest of this entry »

O cais da saudade desenha passados e lembranças

O presente está firme. Há desconfortos visíveis, mas o saudosismo não encontra espaço para se espalhar. O negócio do capitalismo é não firmar nostalgias. Não significa que as lembranças devam ser expurgadas da memória. O capitalismo exige cálculos, medidas, investimentos. As recordações não morreram, mas entram na lógica do mercado, na exaltação do consumo. A história […]

Read the rest of this entry »

Os avessos cruéis e as conversas do mundo

Há quem acredite em energia negativa. Faz tudo para fugir de pessoas que desfilam no reino da mesquinharia. Eu não discordo. Acho que os sentimentos atravessam a construção da cultura, com uma heterogeneidade marcante. Seria impossível classificá-los, como se estivesse num concurso de vestibular. A sociedade é de massas, as pessoas se parecem, não buscam […]

Read the rest of this entry »

Dos amores possíveis no mundo da velocidade

                 A vida requer convivências. É preciso compartilhar. Sem isso, as sociabilidades se fragilizam, o descrédito no outro se concretiza. Dividir é o verbo da vez. Difícil é conjugá-lo, na sociedade de consumo, mas não custa tentar. Cuidado para não ser vítima de uma invasão de isolamento e ter de buscar ajuda no malabarismo do Prozac. Se […]

Read the rest of this entry »

O lugar dos sentimentos e das competições cotidianas

A sociedade cresce na sua diversidade. Difícil é avaliar se tudo isso é sinal de transformação ou se trata de uma maneira de manter, com disfarces, preconceitos e autoritarismos. O modo de produção capitalista não vive sem exercitar competições. Fala-se de igualdade, mas a prática mostra discriminações frequentes. Não dá para acreditar que a exploração seja […]

Read the rest of this entry »

Não esconda o amor no silêncio do coração

  O amor só tem sentido se recíproco, mas a reciprocidade não significa igualdade. Trata-se de uma reciprocidade na diferença, como o homem é diferente da mulher, o velho do jovem, o mestre do aprendiz, etc. Cada um ama sendo si mesmo e realizando-se. Cada um dá e recebe, o que dá é diferente do que recebe […]

Read the rest of this entry »

A saudade não tem tempo definido e seguro

Dizem que é bom guardar a saudade escondida no coração. Não se importar com as inquietações. O certo é entender que ela flutua. Seria impossível inventar um calendário fixo, objetivo, para aprisionar as inconstâncias da saudade. Ela adora um tapete mágico e contos de fada. Pertence ao território da imaginação. Traz sofrimentos, porém não poupa […]

Read the rest of this entry »

O coração batendo no vasto corpo do mundo

Enterrem meu coração na curva do rio, título do livro de Dee Brown que critica a história oficial e reler as aventuras dos índios norte-americanos, com interpretações marcantes. Coloca dúvidas nas versões conhecidas e exibidas nas salas de cinema. Quem não as viu? Preconceitos e violências  devem ser denunciados. Eles compõem as colonizações internamente, não […]

Read the rest of this entry »

A saudade não se esgota na distância

Os sentimentos (des)montam. Talvez, a vida valha por esses acasos. Consumir as exatidões, mergulhar nas águas limpas e despoluídas exercem atrações. Mas quando tudo está muito acertado, algo anuncia um certo vazio. Quem adivinha o que vem no futuro mais próximo? Portanto, o excesso de controle é um artifício. Nem sempre, sentimos prazer em adotá-lo. […]

Read the rest of this entry »