Posts Tagged ‘sentimentos’

” Vou seguindo pela vida…”: travessias e simulações




Quem pode se esquecer de Milton cantado Travessia? Muita beleza, encanto e a emoção como uma brisa enebriante. Há poemas que marcam instantes e viram eternidades. Com tanta confusão não custa soltar-se das novidades pesadas, deixar Cunha, Temer, Jucá e tantos outros, e respirar outras energias. Quando as tensões se avolumam, a sociedade fica embrigada […]




Share Read the rest of this entry »

O individualismo e as fronteiras possíveis dos sentimentos




  Ninguém deve dispensar as fantasias. A aridez deixa gosto, isola, cria apatias. Uma sociedade que cultiva tensões, estica raivas, pode se tornar um campo de guerra. Somos animais sociais e precisamos de entrar no universo dos sentimentos. Há ambiguidades, temores, vacilações. A complexidade nos visita com assiduidade. É um visionário quem espera por uma […]




Share Read the rest of this entry »

As tensões: “Narciso acha feio o que não é espelho.”




Quando a desconfiança toma conta do cotidiano e as pessoas começam a preencher seus vazios afetivos com a luta política, alguma coisa está perturbando. A política é importante, envolve a vida, se confunde com crenças religiosas, consegue esconder desacertos e espalhar incompletudes. No mundo invadido pelo desamparo, a complexidade se assanha. Análises superficiais ganham urgência. […]




Share Read the rest of this entry »

Verdades e significados




Não se cubra com verdades que são sempre diferentes, desconfie dos que se dizem absolutos, celebre a passagem do tempo. Anuncie a fragilidade de quem se encanta com os significados, sem escutar o som das palavras que nega profecias. Deixe Descartes cuidar do tempo que viveu e não esqueça de escrever o seu próprio discurso […]




Share Read the rest of this entry »

O beijo e o sonho




Há paraísos sem pecados, sem deuses, sem ansiedades. A imaginação desenha as possibilidades, mas tem limite, se desinventa. Cada tempo encerrado afirma que a morte não é ficção e a história vive de assombrações repentinas e loucuras avulsas. Não atravesse estradas conhecidas pelo medo e a covardia, não consagre o descuido, nem celebre solidões anônimas. […]




Share Read the rest of this entry »

Especulações circulares




  Desconheço a geometrias do universo, mas renego linhas retas  e avulsas. Não existem cores, nem formas para dar conta dos sentimentos humanos. Somos todos adivinhos do que nunca termina, derrubamos mitos, abafamos crenças. Não insista no pecado original e se desfaça das mentiras que dizem na esquina, a quem viva da acumulação, jogando luxo […]




Share Read the rest of this entry »

Encantamentos soltos




Não deixe que o cerco do não empurre sua vida para o abismo. Corte o excesso, visite a serenidade, encante-se com o bem-querer. Cada dia é um anúncio que, magicamente, a vida continua e as travessias guardam segredos que podem amedrontar. Há no futuro desconhecido uma profecia que definirá os tempos, não deseje adivinhá-la, se […]




Share Read the rest of this entry »

Os sentimentos dão ritmos ao tempo




Quem observa a história não  se negar a olhar seus movimentos surpreendentes. Há repetições, muitos lutam pelas permanências e outros buscam as novidades. Difícil é conhecer como se formam as referências, qual o caminho a seguir, já que as diferenças são muitas. Portanto, os lugares dos tempos são moradias de ambivalências. Não adianta somar transparências, […]




Share Read the rest of this entry »

Esquecimentos e travessuras




Se o encanto se perdeu numa trilha sinuosa, não deixe que o medo tire o mistério da partida inesperada. Atrite as lembranças, desenhe-se  na estética da tristeza, há mundos que flutuam e outros que caem em abismos Não esqueça que os portos não precisam de mares turbulentos, que as travessias se fazem com mapas esquisitos […]




Share Read the rest of this entry »

Desafazeres e fantasias




      Desenhar a linha do tempo deixa as geometrias enlouquecidas.        As profecias são especulações, divertimentos, distrações,       cada uma envolvida na confiança de sortes e deuses.        Não busque a linha da certeza, nem a lágrima da última saudade,        a vida se reinventa no meio da noite, no sonho que não termina.        […]




Share Read the rest of this entry »