Posts Tagged ‘ser’

As culturas, os pertencimentos, as modas, os vazios

A incompletude não é uma invenção vadia. Estamos longe da onipotência e os deuses descansam dos pecados que também cometeram. A sociedade roda. Os conflitos aparecem com frequência. Nunca se consagraram tantos medos e tantas inseguranças. Cada aventura significa uma ameaça sem definição. As polêmicas renascem, a memória se aquece, os preconceitos se agitam. Será […]






Share Read the rest of this entry »

A esquina e a vida, os amores e os gritos

Encontrei a vida numa esquina abandonada. Lembrei-me da noite triste e de um pesadelo longo. Desenhei o tempo, senti lonjura, fechei os olhos ardentes. Vi que nunca sou o mesmo e o afeto me abraça quando tenho medo. Há amores desfeitos nos gritos históricos e ocupações tardias que anunciam espaços inesperados e redefinidos. O mundo […]






Share Read the rest of this entry »

O ser ou não ser

Picasso não era Picasso. O azul não era azul. O encanto não era o encanto. O tormento assaltava o mundo, o engano se fazia soberano. Contava com as palavras, queria entrar nos labirintos e viver os desenhos do infinto. Não havia traços, nem horizontes quem se foram com os amantes perdidos nas esquinas. Desfiz o […]






Share Read the rest of this entry »

Goya: o tempo e a fragmentação da vida

                                                               As tatuagens da vida não têm formas, nem medidas,                         são pintadas pelo pincel do tempo branco como a areia do                         deserto.                         Tudo é relativamente contado, não há exatidão, nem quietude.                         Os sossegos são aparências enganadoras, vestígios finos e                         sinuosos.                         Cada instante passa como um número infinito, com […]






Share Read the rest of this entry »