Posts Tagged ‘sociabilidade’

O pântano da dor desmancha

  Ninguém conhece uma história sem sofrimentos. A linearidade é apenas uma ficção tola, pois o coração não bate sempre no mesmo ritmo. Podemos imaginar paraísos, mas não há como negar  os desencontros e os limites. Somos animais sociais, existem cooperações, solidariedades. Insisto,porém, que a lógica capitalista é destrutiva. Ela estimula a  vaidade e o […]

Read the rest of this entry »

As opressões: a vida desfeita e o capital soberano?

Há apreensões com as inseguranças cotidianas. A vida é uma aventura, ninguém nega. Na história, há lutas imensas para se evitar danos e reerguer ruínas. Tudo convive com negligências. Cada época possui seus contrapontos. Quem não se lembra das vinganças divinas descritas na Bíblia? Sacudir as bombas atômicas assassinando pessoas e devastando paisagens é crime. […]

Read the rest of this entry »

As voltas dos tempos históricos

Há sempre um debate incessante nos saberes acadêmicos sobre o tempo histórico, Visitamos o passado, corremos para os imaginários, não acreditamos nas previsões, mergulhamos nas tragédias gregas. Não adiantar fugir. Cada um julga sua temporalidade nos desenhos do corpo. O tempo é astucioso, não se deixa prender. Mas há quem diga que a história é […]

Read the rest of this entry »

O império do cinismo e da tragédia cotidiana

    O mundo se constrói nas diferenças. As hierarquias persistem, mudam de lugares. Sinais para transformações e muita complexidade  nos inquietam. As pessoas se deslocam, conseguem furar esquemas de poder. No entanto, a sociedade mantém o ritmo, reprime. Quem parecia rebelde se deixa levar pelas arrogância de quem condenava. Continuam os fingimentos, os autoritarismos. […]

Read the rest of this entry »

Os olhares dos mil silêncios e espantos

Quem sistematiza a história como um conjunto de fatos perde dimensões incríveis. É preciso  observar os contrastes e não apenas os grande generais e as fortunas opressoras. Há repetições Muitos não se soltam das máximas de Aristóteles, se envolvem com as mesmices em busca de quietude. Esquecem que já houve tantas reviravoltas. Não se pode […]

Read the rest of this entry »

Mensalão, política, dúvidas, desmantelos

Ninguém conhece uma sociedade perfeita, sem desmantelos ou desacertos cotidianos. Destaquem-se os grandes centros dos tempos atuais, os governos negociados nos detalhes, as disputas por cada milímetro do poder. Não é novidade que haja manobras e corrupções. Cobra-se uma ética, um comportamento transparente, mas tudo isso se perde nas inquietações sem respostas daqueles que se […]

Read the rest of this entry »

A solidão na velocidade dos sentimentos efêmeros

A velocidade dá o tom da vida contemporânea. Não adianta esticar a preguiça, esconder o corpo, apelar para o aconchego do abraço. Tudo tem quer ser resolvido com rapidez. As inteligências artificiais demandam acumulação, respostas imediatas e garantia de sucesso. O mundo do capital escorrega, mas supera contradições, permanece ativo. O assédio das utopias não […]

Read the rest of this entry »

As escritas e as palavras no meio da vida veloz

As frentes de luta são muitas. Não deixarão de existir. Por isso, a multiplicidade de armas é um fato. Cada campo de luta exige suas estratégias. Há as dimensões intrigantes de conflitos permanentes. Armas pesadas, fluxos de interesses tensos, genocídios preparados com requintes anunciadores de negociações impossíveis e rivalidades consistentes. Os lugares dos perdões mudam e, às […]

Read the rest of this entry »

O fluir da escrita e da conversa nos tempos do mundo

                  A conversa é a maior invenção da cultura. Ela traça as texturas das sociabilidades, sem descansar os mistérios que vagam pelo mundo. A conversa não precisa de muito ruídos e nem de multidões para ouvi-la. No canto da cama, meio atravessado pela insônia, a conversa pode inquietar e trazer lembranças. Sozinhos falamos sobre […]

Read the rest of this entry »

A verdade tem uma travessia histórica e política

Não consigo ver nada fora da história. Submerjo nos mares de Castoriadis.Mas há uma pergunta que incomoda. Quem faz a história ou se apropria dos  privilégios? Qualquer debate sobre esse tema demanda posionamento. Não sei a razão de se falar tanto em neutralidade. Será que a confunde com a falta ou desprezo por juízo de valor? […]

Read the rest of this entry »