Posts Tagged ‘sociedade’

Não apague as nostalgias

  Ninguém consegue apagar os sonhos.Eles adoecem, denunciam fraqueza, mas a sociedade não pode ser escrava do lugar comum. O tumulto está globalizado, pois a luta é imensa para manutenção dos valores solidários. A soberania do cinismo faz ameaças constantes. No entanto, há buracos, abismos, pântanos. O invulnerável tem seus ataques e se desmonta. Por […]

Read the rest of this entry »

Os ídolos e as famas são de barro?

  Não se vive sem escândalos. Celebram-se notícias que anunciam quebra de valores e colocam pessoas sob suspeitas. Não há como negar que agitações sociais contam com divulgações nada inocentes. Não vou defender estabilidades e sociedades homogêneas. Até as religiões inquietam com suas pregações proféticas. Mas a história nunca foi uma linha reta. Busca-se um […]

Read the rest of this entry »

As andanças políticas nada renovadoras

  Quem votou, escolheu e ainda  curte sandices em demasia. Ninguém estava fora da sociedade, visitando Vênus. Jair não deixou de enfiar promessas agressivas que muitos celebraram como a salvação. Cercou-se de ministros confusos e vocações nada saudáveis. O ridículo ganhou um espaço impressionante. Mas restam fanáticos e interesses que cativam os mais radicais. Fico […]

Read the rest of this entry »

Invente-se: A competição afasta e oprime

    A sociedade acelera suas demandas. Os deslocamentos são grandes e afugentam os acomodados.Eles pedem rapidez. Criam opressões, para aumentar corridas e estimular o apego ao sucesso. Portanto, o outro pode se tornar um obstáculo, numa estrutura de competições. Não se assuste com as ilusões de empregos maravilhosos. É o jogo para amortecer os […]

Read the rest of this entry »

Há dores e tormentos na solidão escondida

  As exigências são muitas e elas percorrem o cotidiano. As pessoas perguntam, mas também se escondem. As competições pedem máscaras de todas as cores. A sociedade se torna espaço de uma crescente hipocrisia. Valem disfarces assustadores. Há quem curta estar sempre bem composto, vendendo sorrisos e afastando  qualquer ideia pessimista. O labirintos não tem […]

Read the rest of this entry »

Sua afetividade está doente?

  A vida corre. Não dá ficar na janela contando as flores  ou estimulando a imaginação. Há pressa. O ritmo da grana puxa e excita. Muitos não conseguem se desligar da agitação dos mercados. Não há tempo para poesia, diz alguém. Portanto, se produz um solidão em cada corpo de forma paralisante. Olhar o outro […]

Read the rest of this entry »

Incertezas contemporâneas:o lixo e o luxo se completam

    Muita gente enxerga um mundo desenhado por uma sucessão de ruínas. Uma rápida olhada nos jornais ou mesmo nas redes sociais mostra que há pessimismo exaustivo e pesadelo nas expectativas. As análises frequentes observam o momento tenso e incerto. Fatigam como nunca. Há disputas armadas  e invejas opressivas O que parecia ser o […]

Read the rest of this entry »

O fogo é do mundo?

  A perplexidade assusta cotidianamente.  Circulam coisas doloridas e perversas. O sensacionalismo corta , muitas vezes, a crítica e a solidariedade. A miséria habita regiões imensas. Come-se barro, as epidemias  vão e voltam. A mídia, porém, seleciona as notícias com preciosismo que dê retorno aos investimentos. Os  jornais não estão numa situação agradável. Há falências […]

Read the rest of this entry »

A sociedade não foge das divisões

    A intriga não é novidade, nem a bala perdida no asfalto uma boa diversão. Elas estão no cotidiano. A sociedade vive temerosa de novas  tempestades. São aflições doentias. Há um crescimento populacional que assusta. Não se divide os recursos materiais, não se tenta dá conta da miséria dos refugiados, mas se busca, nos […]

Read the rest of this entry »

A sociedade do desempenho: solidão, desamparo, deboche

      O  capital pede trabalho, mas tende a desqualificá-lo. Busca-se uma alternativa para que tudo funcione sem abalar a situação dos que ganham muito. Há planos, desmentidos, jogos de peças inesperadas. A sociedade pode ser vista com várias cores, não há como olhar o mundo e submetê-lo a restrições imutáveis. Um caminhada pelas […]

Read the rest of this entry »