Posts Tagged ‘solidão’

Pokémon: o encontro das solidões apressadas

O circo não se foi. Não é aquele de antes, quando os palhaços tinham mil brincadeiras e os risos corriam soltos. Quem se lembra dos malabaristas, das bailarinas, dos trapezistas audaciosos? Era um divertimento amplo que deixava a plateia mobilizada. Não se trata, aqui, de nostalgia consolidada.  Temos de olhar o que passou, os prazeres […]

Read the rest of this entry »

Estou por aqui

Pergunto ao tempo o que me incomoda, não me interesso pela resposta, nem me sinto contemplado. Observo que a agonia da incompletude cria  a cultura, e que há regras que levarão depois ao desatino. Desestabeleço medidas e apago fingimentos, com firmeza, nada mais cruel do que um espelho sem moldura mínima. Visito a moradia das […]

Read the rest of this entry »

A solidão se apropria das multidões

  Não sei se vai haver apocalipse. Mas está tudo muito embaralhado. No meio de tantos acasos, há silêncios de solidões. A virtualidade trama suas amizades. Todos se comunicam com afeto programado. Como ficar encostado na beira do abismo do desespero e da ansiedade? É difícil imaginar que houvesses tantos desamparos, que a psicanálise acumulasse […]

Read the rest of this entry »

Os olhares dos mil silêncios e espantos

Quem sistematiza a história como um conjunto de fatos perde dimensões incríveis. É preciso  observar os contrastes e não apenas os grande generais e as fortunas opressoras. Há repetições Muitos não se soltam das máximas de Aristóteles, se envolvem com as mesmices em busca de quietude. Esquecem que já houve tantas reviravoltas. Não se pode […]

Read the rest of this entry »

A solidão e o cansaço do último deus

Responder as perguntas que aparecem, lembram divertimentos. É difícil sair por aí, ouvir as conversas, escutar os mistérios, ver os rostos desconfiados e guardar-se. Dá vontade de duvidar que há continuidade na vida, se tudo não é uma flutuação tola ou viagem do acaso. Vou e torno-me numa armadura medieval. As pessoas se falam, mas […]

Read the rest of this entry »

O facebook é uma arena singular

Não é exagero afirmar que a cultura se faz com muita conversa. A mudez tem sem seus significados, mas é preciso movimento para que as invenções se estendem e corram o mundo. As conversas não levam, necessariamente, ao consenso. Por mais autoritária que seja a sociedade não se vive sem diferenças. A memória mostra como […]

Read the rest of this entry »

Cartografia: sentimentos soltos

Existem tristezas que correm o mundo, numa busca de esconderijos perfeitos. Nada pode se revelar quando os conflitos guardam vinganças passadas e desesperos sem cores. Cada passo é a aproximação de um abismo sombrio, nomeando a  solidão da divindade esquecida. O desenho das imagens perdidas lembram desaventuras, moradias de espaços opressores e vazios. A cartografia […]

Read the rest of this entry »

Nos encontros da solidão e do mundo

Existem muitas dificuldades para compreender o que se passa. Não se trata de algo localizado, solto, escondido. A questão é decifrar a arquitetura que o compõe. Há busca de nomes para redefinir comportamentos. Volta-se ao passado, mas nem todos curtem a nostalgia, nem se jogam na complexidade do tempo. Há os futuristas, os que se […]

Read the rest of this entry »

A solidão cala ?

  Existem entrelaçamentos na vida que a tornam misteriosa.           As racionalidades não se cansam de buscar argumentos e a           história segue atropelando possíveis certezas e enfeitando ficções.           A solidão cala para que as interioridades se revelem, tirem suas máscaras,           mas não há como viver a nudez na sua plenitude, restam enganos […]

Read the rest of this entry »

Os desamparos escondidos

Não há como se desfazer do medo e assustar o desamparo. A sociedade corre, desfazendo sonhos e celebrando técnicas. As tradições se confundem com as novidades nas vitrines superficiais. Não se a conta a história, mas se busca o sucesso como um cristal raro. A vida possui pedras que escondem segredos e mantos que enxugam […]

Read the rest of this entry »