Posts Tagged ‘solidão’

Arquitetura e nudez da solidão

Não se esconda no labirinto da primeira esquina. Queira distância. Não pense também que os labirintos são feitos apenas de pedras ou concreto armado. Solte-se. Deixa a imaginação sacudir o corpo e submergir com força. O labirinto dialoga com a solidão. Pode ser uma fantasia, uma figura geométrica desenhada num caderno avulso. Então se volte […]

Read the rest of this entry »

A solidão indefinida

  Não imagine que os sentimentos se esgotam nas distâncias mudas. Não há medidas exatas para quem perdeu as aventuras dos encontros. Cada instante foge dos calendários cotidianos, inventa suas fantasias. Há tempos múltiplos que escondem prazeres e melancolias, a vida não pode ser  apenas o universo dos desencantos vadios. Converse com sua solidão e […]

Read the rest of this entry »

Quem se reconhece na história da solidão?

  A vida não se constrói sem uma visita constante aos sentimentos. Há quem os olhe com desconfiança. Considera que é um tema de grande fluidez que não merece divagações. É difícil observá-los. As instabilidades são muitas e o lugar do afeto é, às vezes, confuso e fugidio. Quando optamos pelas determinações fixas os sentimentos […]

Read the rest of this entry »

As possibilidades escondidas

Não desenharia a imagem que avistei no único espelho, nem  conjugaria o verbo que não contém acasos e desesperos. Há nos momentos inesperados da vida uma magia tardia, algo que foi perdido num paraíso que existiu na memória. Cada tempo carrega narrativas que não se acabam para sempre, pois as histórias nunca pedem definições fixas […]

Read the rest of this entry »

As contabilidades instáveis da solidão

  As operações matemáticas nos acompanham. Falar e contar fazem parte do cotidiano. Quem pode esquecer que os números insistem em sintetizar resultados e buscar eficiências? A complexidade da vida exige símbolos e leituras que se modificam com rapidez.Multidões se entendem com informações precárias. Há sempre dúvidas, mas é preciso que a história ande e […]

Read the rest of this entry »

A solidão não tem moradia fixa e comum

Os sentimentos passam pela história como atores de segunda categoria. Muitos acham desnecessário entendê-los ou observar suas trilhas sinuosas.  Investem na contagem dos fatos extraordinários, destacam as astúcias políticas, mostram os êxitos econômicos. O positivismo continua com adeptos fanáticos ou disfarçados. A história busca uma objetividade que não dá conta dos escorregões. Desenha-se uma linha […]

Read the rest of this entry »

As escritas silenciosas da solidão

Não há ruído que revele a magia da cada criação. O mundo se inventa no silêncio escondido das escritas e desfazendo imagens desenhadas nos cantos dos espelhos. As geometrias da vida não possuem pertencimentos fixos, nem adivinhações nas suas travessias curvas e repetitivas. Nem sempre cabem leituras nos significados mais antigos, nem nos tempos que […]

Read the rest of this entry »

Narcisismos, solidão, vitrines, culturas

As vitrines espalham-se por todos os lugares. Não possuem uma única forma, nem pertencem a um só tempo. O individualismo garante que Narciso corre por travessias imensas sem intervalos. Não se afastou das idas e vindas do humano. Institui e compõe suas aventuras.. Os mitos permanecem, apesar de algumas especulações intelectuais contrárias. Eles nos ajudam […]

Read the rest of this entry »

As conversas da solidão na extensão do mundo

Muita gente nos cerca. Caminhamos enfrentando olhares negativos ou indiferentes, mas também ruídos de alegrias e surpresas. O mundo tem muitas pedras e rotas que não se esgotam. Planejar é uma dificuldade. Quando partimos para viver o cotidiano, aparentemente, tão simples, ficarmos perplexos com os desacertos e o inesperado. O dia apresenta-se com novidades incomuns, […]

Read the rest of this entry »

Sem perguntas, sem desejos

era como morrer para determinadas coisas. a vida incompleta não é uma surpresa, faz parte dos sinais do humano, do seu corpo flutuante. mas certas coisas vão perdendo-se apressadamente. o tempo as leva sem  esforço e distraído. era como assistir  ao espetáculo de beija-flores apaixonados, a solidão batendo no coração insistentemente, com sentimentos vadios e […]

Read the rest of this entry »