Posts Tagged ‘solidão’

As conversas da solidão na extensão do mundo

Muita gente nos cerca. Caminhamos enfrentando olhares negativos ou indiferentes, mas também ruídos de alegrias e surpresas. O mundo tem muitas pedras e rotas que não se esgotam. Planejar é uma dificuldade. Quando partimos para viver o cotidiano, aparentemente, tão simples, ficarmos perplexos com os desacertos e o inesperado. O dia apresenta-se com novidades incomuns, […]

Read the rest of this entry »

Sem perguntas, sem desejos

era como morrer para determinadas coisas. a vida incompleta não é uma surpresa, faz parte dos sinais do humano, do seu corpo flutuante. mas certas coisas vão perdendo-se apressadamente. o tempo as leva sem  esforço e distraído. era como assistir  ao espetáculo de beija-flores apaixonados, a solidão batendo no coração insistentemente, com sentimentos vadios e […]

Read the rest of this entry »

As viagens facebookianas e os afetos flutuantes

Comunicar-se com o outro faz do mundo um lugar de negociações contínuas. É uma ordem do imediato. O tempo ganha, hoje, dimensões que se coordenam com a velocidade das máquinas. As tecnologias enchem-se de novidades e satisfazem os consumidores mais permanentes. A busca pela atualização é uma constante. A resposta é dada pela quantidade  de […]

Read the rest of this entry »

Octavio Paz: os labirintos da solidão nas sustentações da vida

Octavio Paz escreveu um belo livro chamado O Labirinto da Solidão. Paz é um dos mágicos da literatura. Tem uma intimidade com as palavras, cria com facilidade e mostra cuidado com a história. Seu livro, ainda, traz debates importantes sobre o México e a modernidade. Ele apresenta suas nostalgias, mas não se desfaz das ambiguidades […]

Read the rest of this entry »

O mistério do gostar, as virtualidades, as vacilações

Por que gostamos do outro? Convivemos, cotidianamente. Quando nos sentimos isolados alguma coisa parece quebrada. O silêncio faz bem, traz sossego, mas é importante não diluir as sociabilidades. Não gostamos de todo mundo. Seria impossível. Há pessoas que desmancham prazeres com ironias e arrogâncias. Freud explica. Posso ser simpático para muitos companheiros, sem agradar aos […]

Read the rest of this entry »

A solidão na busca dos esconderijos da vida

A sociedade curte espetáculos grandiosos. Gosta de encontros que movimentem multidões e festejem aparências. Até as eleições ganham dimensões de  cores variadas. Todo partido possui uma camisa simbólica, um ornamento. Faltam as reflexões e a confiança na cidadania. Nem todos navegam, contudo, pelos oceanos da exibição. Não custa criar os contrapontos, observar as ansiedades e […]

Read the rest of this entry »

Os movimentos do mundo das saudades

A vida não é a síntese da clareza ou sentidos definidos, a  sua narrativa mergulha em saudades escondidas, mas sonoras. Conta-se a história como se arquitetasse um caminho sem margens, não há fronteiras onde não cabem certezas, onde os desenhos dos desertos parecem infinitos. Os deuses inventaram os homens para sentir fraquezas e desconfianças da […]

Read the rest of this entry »

A multiplicidade solta e a solidão das travessias

Estamos vivendo o último dia da história. Parece uma brincadeira. Quem garante o futuro do mundo com tantas alternativas e estratégias soltas ? Poucas referências conseguem afirmação. A cultura acumula conhecimentos, objetos, intrigas, instituições, mas a multiplicidade abre portas e esconde labirintos. A existência de muitas coisas transforma as opções, desengana. Há tramas misteriosos. Querer […]

Read the rest of this entry »

A solidão na velocidade dos sentimentos efêmeros

A velocidade dá o tom da vida contemporânea. Não adianta esticar a preguiça, esconder o corpo, apelar para o aconchego do abraço. Tudo tem quer ser resolvido com rapidez. As inteligências artificiais demandam acumulação, respostas imediatas e garantia de sucesso. O mundo do capital escorrega, mas supera contradições, permanece ativo. O assédio das utopias não […]

Read the rest of this entry »

Ocupar as cidades, refazer as arquiteturas

Estamos construindo cidades gigantescas e inóspitas. Maiores que os labirintos tenebrosos que fantasiamos nos medos e nas frustrações. Desconhecemos suas ruas, ficamos isolados em quarteirões, pedimos comida pelo telefone, mergulhamos em atividades solitárias. As sociabilidades têm gosto de trabalho, competição, consumo. Não cuidamos das perdas, talvez pensando que as tecnologias nos salvarão. Os sustos acontecem […]

Read the rest of this entry »