Posts Tagged ‘solidariedade’

Pisando nas armadilhas minadas

  Faz tempo que a violência se tornou manchete principal. Falo da violência física. Há também escravidão, preconceitos, cinismo. As críticas existem e ninguém gosta de se sentir ameaçados. Os ruídos se espalham, assumem redes sociais. No entanto, não exagere. Há quem argumente e coloque a violência como um mal necessário. Ninguém é ingênuo quando […]

Read the rest of this entry »

A política vacila: armas, palavras, desenganos

  Voltou-se a falar na morte das ideologias. Muitos desconhecem o conceito, mas se tornou um charme traçar seus males e destroçar seus possíveis significados. Um percurso globalizado e ativo que não se restringe aos fatos brasileiros. Bolsonaro assume com ruídos que alimentam delírios de Frota e fogo nas relações internacionais. Isso era esperado. Sai […]

Read the rest of this entry »

Antonio Cândido: a generosidade tem nome

  Vivemos no meio de ataques constantes. A aridez contagia, a ironia se expande. O Brasil está doente, não sabe o tamanho da sua aflição. Nunca vi tanta raiva acumulada. Difícil dialogar. Há pessoas que não percebem que há corrupções próximas e familiares, mas preferem jogar para a plateia, pintar imagens histéricas.  Quem soube roubar […]

Read the rest of this entry »

Ocupe e desocupe: o coletivo e a cidade

As jogadas do poder são imensas e conseguem se articular com uma rede de lucros quase invisível. Entra a política, os acordos, os escândalos. Quem são os culpados? O capitalismo pode viver sem a desigualdade? A crítica não pode silenciar. a minoria controla, vende, se espalha pelo mundo. Não existe, porém, um mundo que tenha […]

Read the rest of this entry »

Sebastião: o sal da terra e do mundo

Interpretar a história é missão que não se acaba. A complexidade se estende e as alternativas se misturam. Vivemos fortes ambiguidades que atravessam o cotidiano. Tudo muito veloz. As verdades não se sustentam. A política se encanta pelo mercado de valores. Apesar das invenções tecnológicos, as ruínas se encontram em toda parte. As indefinições cortam […]

Read the rest of this entry »

Quem derrota o preconceito?

  O movimento da sociedade nunca é transparente. Há sempre dúvidas, ambiguidades, urgências irresponsáveis. Somos atropelados por raciocínios fabricados com muita sofisticação ou por desprezos históricos mal resolvidos. A competição exige astúcia e, muitas vezes, disposição para assumir cinismos e vinganças passadas. O famoso compromisso com a verdade flutua e se enche de promessas. Tudo […]

Read the rest of this entry »

Cartografias dos sentimentos e cotidianos na rede social

A pressa comanda muita coisa. Não é estranho que o trabalho se insira no cotidiano determinando ordens e excluindo prazeres. A sociedade exige que as pessoas se movimentem e busquem a sobrevivência. O importante é se localizar, construir narrativas que mostrem interesses em seguir adiante com projetos de sucesso. Estamos fazendo uma afirmação genérica, mas […]

Read the rest of this entry »

A ressaca eleitoral, as violências e os fascismos

No meio das muitas euforias e frustrações, repercutem os resultados das  eleições municipais. Renovações anunciadas, institutos de pesquisas lamentando certas previsões, promessas reafirmadas por candidatos vitoriosos compõem o momento. As conversas circulam, acompanhados do temor de que as repetições não se confirmem. O novo é, muitas vezes, o disfarce de tradições conversadoras. Não dá para […]

Read the rest of this entry »

A violência e a droga não pedem licença

Há sustos que não podem ser esquecidos. Não se deve, porém, ter medo de  insistências. Calar é consentir, achar normal comportamentos que desqualificam a vida. Assim, tem sido a ação dos grupos de tráfico de drogas. O que está acontecendo no México é desestruturante. Não devia ser silenciado descontrole, mas ganhar protestos de mobilizações internacionais. O extermínio banalizou-se […]

Read the rest of this entry »

Lula: as curvas da vida e a história de cada um

Quem sabe medir o tamanho do seu tempo? É uma pergunta que não chama resposta conclusiva. A vida corre ou é paciente. Com toda sapiência dos conhecimentos científicos ou das transcendências do sensível, vagamos sem um porto que ampare todas  nossas incertezas. Portanto, não há razões para se encher de culpas e sepultar o passado. Há […]

Read the rest of this entry »