Posts Tagged ‘sombras’

Leituras e sombras

Não leia a gramática da violência, nem subestime a fabricação dos discursos. Há juízes que assumem palavras vazias e descobrem que eles desconhecem o sensível. As sombras vestem as histórias confusas, indefinem a vida e enaltecem o pecado. Deite-se na imaginação da rebeldia, conte as formas das cores dos exilados, não dispense a coragem e […]

Read the rest of this entry »

Cenários da vida, movimentos das tragédias

Estamos,sempre, envolvidos com buscas. Gostamos de curtir referências, de conhecer caminhos, de evitar desencontros. Mas os sentimentos desandam. As promessas de segurança, de controle passam rápidas ou não se realizam. O mundo quer velocidades, as máquinas deliram, as bolsas de valores explicam o inexplicável. Não à toa que ficamos atônitos, vivendo de humores que se […]

Read the rest of this entry »

Os mares da vida e as memórias mágicas

Quem medita sobre a história não pode desprezar a memória. Ela dá ritmo às reflexões, sistematiza dúvidas ou desmonta o que parecia definido. Numa sociedade que cultua a velocidade, a memória não perde espaço. Há uma valorização de estudos sobre certos autores, um atiçamento do debate acadêmico, uma releitura de narrativas que significam que o […]

Read the rest of this entry »

A morte dos deuses

as sombras perdem-se nos desenhos dos enigmas não se sabe o significado que seduz seus movimentos. cada espelho das suas imagens perturba as identidades visíveis. não há tempo, nem há espaço para decifrar as histórias, as sombras e as luzes fantasiam a vida com sinais ambíguos e o caminho não é o destino, nem a […]

Read the rest of this entry »

Os malabarismos surpreendentes do eu

eu é que estou sem alma, ela se desfez, sem deixar sombras pense numa estrada sem rumo, numa recordação sem serventia a vida passa sem escutar deuses, sem registrar experiências há sensibilidades vadias escorregando pelo fio do tempo não conto as palavras que eu escrevo, nem o tamanho do meu desejo o malabarista dança sem […]

Read the rest of this entry »