Posts Tagged ‘sonho’

Os esconderijos da paixão




O calor do corpo é o início da paixão, e não a aventura sem nome e sem destino. Cada olhar solto significa um encontro, o tempo se entrelaça radicalmente com o desejo. A história do sentimento é uma crença, não suporta, porém, dogmas e apatias. A paixão não se faz com o silêncio, nem concilia […]




Share Read the rest of this entry »

As vozes e o finito




Não escuto as vozes do universo, sinto que há uma mudez contínua, as palavras sem sentido nada dizem. A inquietude revela a incompreensão, a história passa como uma corrida sem direção e fazemos promessas que não conseguem perdões. A conversa não constrói argumentos, mas raivas e vida termina arquitetando labirintos imensos. Não adianta afirmar que […]




Share Read the rest of this entry »

O mundo da travessia sem sonho




Há uma história que desiludiu Adão e Eva e  um pecado que persegue todos os homens e todas mulheres. Sinto que cada tempo é uma travessia com vestígios do passado, parece uma repetição disfarçada com armadilhas subjetivas. Visito as páginas das escritas que esqueci de ler, mas vejo um mundo de cores cinzas, chorando seus desencontros. […]




Share Read the rest of this entry »

A praça , a vida, a dança




Há um desenho na esquina com cores vermelhas, é um anúncio anônimo de quem se esqueceu d0 mundo. Sentados nos bancos, há sonhos de esfomeados que desconhecem o amanhã. Os cães, perfumados, acompanham seus donos e medem afetos especiais, como se a vida se transformasse sem observar a imagem do que se foi, como se os […]




Share Read the rest of this entry »

O beijo e o sonho




Há paraísos sem pecados, sem deuses, sem ansiedades. A imaginação desenha as possibilidades, mas tem limite, se desinventa. Cada tempo encerrado afirma que a morte não é ficção e a história vive de assombrações repentinas e loucuras avulsas. Não atravesse estradas conhecidas pelo medo e a covardia, não consagre o descuido, nem celebre solidões anônimas. […]




Share Read the rest of this entry »

Cada tempo, cada palavra, cada amor




  O verso não dito está perdido na origem indecifrável, não acredite, então, na palavra única e acabada. Há o tempo que é síntese mínima e profunda , aproximando as medidas desfiadas que pareciam distantes. Há a complexidade do desenho labiríntico e fantasioso, determinando a teimosia de caminhos inesperados. Nunca desistir e resistir no colo […]




Share Read the rest of this entry »

A partida do sonho




A violência parte os sonhos e desfaz os afetos no fluir do cotidiano. Parece que a história não se movimenta, nem busca o fim dos limites. Há angústias que se somam e desesperos que inibem a rebeldia. Cada canto do mundo se enche de ruídos e fantasmas inesperados. corta-se o corpo, quebra-se o encanto, maltrata-se […]




Share Read the rest of this entry »

Cinismos, jogadas, granas, farsas




Nos tempos em que as crises se aprofundam as confusões não cessam de existir. Insiste-se na mesmice. Cai a reflexão, a coragem fica na corda bamba, a imprensa inventa suas manchetes para propagar a chegada do abismo. Ele não chega, cria-se um sensação de que nada vale e que a sociedade se arrasta preguiçosamente. É […]




Share Read the rest of this entry »

Quem inventa a democracia e a utopia?




    Já disse, muitas vezes, que a utopia é fundamental. Não significa que teremos, sem dúvida, um mundo a partir de convivências  saudáveis. A utopia ajuda a procurar saídas e aumentar a reflexão. As dissonâncias existem, trazem conflitos, mas como não observá-las e focar no diálogo? Portanto, não podemos nos reduzir ao que o […]




Share Read the rest of this entry »

Os limites e as profecias




No sonho que encerra a madrugada há sinais de profecia. Cada dia tem suas aventuras, mas as incertezas nunca fecham portas. O silêncio é a máscara da dúvida mal resolvida, da história mal contada e as palavras correm como disfarces do espetáculo íntimo e escondido. Não se chega na história pronta, nem se mede a […]




Share Read the rest of this entry »