Posts Tagged ‘tempo’

Como é estranho definir a história do amor!

    Quem desenha sua história, sempre esquece de alguma coisa. A história não existe para ser contada sem vazios. A falta é importante e a vida conversa com a incompletude. Seria impossível saber de tudo, construir a memória sem observar as ruínas. Os sentimentos chegam e vão, nunca são permanentes. Até a morte física […]

Read the rest of this entry »

Discute-se o impossível? O futuro se desfaz?

    O mundo está repleto de perguntas. Com sua complexidade monumental, buscam-se respostas para se evitar conflitos e produzir certezas. No entanto, as coisas se enchem de polêmicas. As notícias se modificam rapidamente. Até as teorias científicas sofrem abalos e o futuro se torna uma esfinge esquisita. Não há como cercar tantas variações diante […]

Read the rest of this entry »

Tenho tempo, logo existo

      Falamos do passado como algo que não tem retorno. Nem observamos que acumulamos conhecimentos e tradições. Temos parentescos imensos com os gregos, seria uma injustiça anular as lutas do escravos romanos. Não faltam lembranças. Elas formam nossa memória. repetimos, muitas vezes, o que já foi dito. A bossa nova não esquece o […]

Read the rest of this entry »

O inesperado da vida

Não confunda o sonho com a permanência da vida. O sonho pode ser um fantasmo perdido ou uma desilusão disfarçada por uma perda cruel. Não meça a vida, nem escolha caminhos retos, a verdade é curva e as pedras não se foram do  mundo. Cada um conta sua história sem saber o futuro, com lembrança […]

Read the rest of this entry »

As voltas dos tempos históricos

Há sempre um debate incessante nos saberes acadêmicos sobre o tempo histórico, Visitamos o passado, corremos para os imaginários, não acreditamos nas previsões, mergulhamos nas tragédias gregas. Não adiantar fugir. Cada um julga sua temporalidade nos desenhos do corpo. O tempo é astucioso, não se deixa prender. Mas há quem diga que a história é […]

Read the rest of this entry »

A política: lugar de desgoverno sem fim?

A confusão se amplia. Muito choro, muitas velas. Não há como ser ausente às tantas idas e vindas da história. Existe quem exija objetividade e segue mandamentos cartesianos. A justiça se torna a letra exata, ditada pelas inteligências supremas. Desconfio. O que menos sobrevive é a certeza. A sociedade está dividida e repleta de análises […]

Read the rest of this entry »

O tempo desfigurado

Vejo o tempo coberto de cinzas, sem fixar datas , nem profecias. Notícias correm registrando mortes anônimas e desesperos universais, mas o espetáculo continua, registrando escândalos e artifícios enganadores. Há um desencanto que esconde o fim do sagrado e a profanação de todas as verdades e de todas as tradições. As ordens desfeitas teimam em […]

Read the rest of this entry »

Os disfarces do tempo

Os calendários anunciam tempos vacilantes, assaltos de mascarados exilados da história. Há medos que não silenciam e gritos tenebrosos. nada apaga o vazio de um futuro sem profecias. Cada aventura disfarçada esconde o cinismo dos abutres, vende-se a notícia com uma crueldade cotidiana. Pense numa história que não abandona a nostalgia e entrelaça a diversidades […]

Read the rest of this entry »

O mundo freudiano

Desfaça a alegria fabricada e a insensatez dos juízes ensandecidos. Descobra o manto que escondeu o tempo e a vida que se foi para o abismo. O mundo se perde no pequeno caos da arrogância, deixa-se levar pelas formas das mercadorias. Não grite por ninguém,  apague a luz da lâmpada azul e espere os anjos […]

Read the rest of this entry »

Amores e eternidades

Não diga que as portas estão fechadas. pois o amor não precisa de chaves. Não adianta escrever sobre a dor na parede. elas estão desbotadas e sujas. Cada instante resume o exílio do sentimento, desencanta a fantasia secreta do último perdão. Solte o grito  estranho dos corpos sofridos e tardios  para expulsar os demônios invasores. […]

Read the rest of this entry »