Posts Tagged ‘tempos’

Quem se lembra do século XIX?

Não crie hierarquias temporais. A ideia do progresso é perigosa. Observe as diferenças, mas não se sacuda nas ideologias desenvolvimentistas. Há muitas traições nas teorias que marcam políticas dominantes. Sei que a desconfiança corrói. Não caia, no entanto, na ingenuidade. Abra os olhos. A história entrelaça tempos, se mostra complexa. Não fique encantado com as […]






Share Read the rest of this entry »

Não desconheça a história, nem a mentira

Estamos numa travessia que parece não ter fim. Não é primeira vez. Adão e Eva não ficaram acomodados quando desobedeceram as ordens divinas. A questão do pecado e da culpa é antiga, já vive dias de ruínas e desacertos. No entanto, não acredite que as religiões estão fulminadas.Elas prosseguem buscando adeptos e escolhendo salvações. São […]






Share Read the rest of this entry »

Marx, Nietzsche, Freud: os tempos dialogam

Rejeitar pode ser um erro. Os tempos dialogam. É fundamental observar a renovação do que fica. Não perder de vista a crítica, ela ajuda a esclarecer a complexidade do contemporâneo. Ninguém parte do nada, há entrelaçamentos visíveis. Nem tudo pode ser radicalmente decifrado. Hábitos antigos se repetem e violências tiranas acontecem nas mais sofisticadas cidades. […]






Share Read the rest of this entry »

Pokémon: o encontro das solidões apressadas

O circo não se foi. Não é aquele de antes, quando os palhaços tinham mil brincadeiras e os risos corriam soltos. Quem se lembra dos malabaristas, das bailarinas, dos trapezistas audaciosos? Era um divertimento amplo que deixava a plateia mobilizada. Não se trata, aqui, de nostalgia consolidada.  Temos de olhar o que passou, os prazeres […]






Share Read the rest of this entry »

Cinismos, jogadas, granas, farsas

Nos tempos em que as crises se aprofundam as confusões não cessam de existir. Insiste-se na mesmice. Cai a reflexão, a coragem fica na corda bamba, a imprensa inventa suas manchetes para propagar a chegada do abismo. Ele não chega, cria-se um sensação de que nada vale e que a sociedade se arrasta preguiçosamente. É […]






Share Read the rest of this entry »

Nos encontros da solidão e do mundo

Existem muitas dificuldades para compreender o que se passa. Não se trata de algo localizado, solto, escondido. A questão é decifrar a arquitetura que o compõe. Há busca de nomes para redefinir comportamentos. Volta-se ao passado, mas nem todos curtem a nostalgia, nem se jogam na complexidade do tempo. Há os futuristas, os que se […]






Share Read the rest of this entry »

Laís: travessias da vida

A vida escreve a gramática das palavras possíveis   e  esconde as formas dos abismos inesperados.                                                                                        Não se negue a escutar a voz do outro, nem se sossegue com o silêncio permanente. Cada tempo traça o desenho de um ânimo anônimo. A vida tem o fôlego de o corpo solto no fluir do sonho. […]






Share Read the rest of this entry »

Convencimentos tardios

Não se apegue à última moda que atravessou as vitrines, voltar ao passado não significa desprezar a transformação. Se a história está grávida de tempos , as contradições animam o seu contar, pois há tropeços que evitam entrar em labirintos e quebrar espelhos. Não há como negar o sentimento que busca o porto com o […]






Share Read the rest of this entry »

As escolhas e o efêmero

Os amores costuram os tempos e multiplicam os segredos. Os sentimentos não descansam e correm além das fronteiras. Não se desapegue das histórias que apenas trazem fantasias, a vida não se resume a desenhos exatos e lineares. Há nas palavras inventadas significados e ânimos, o caos é sinal de que mudança não se esgota, as […]






Share Read the rest of this entry »

Nas máscaras das escritas

O tempo escrito não perde o desenho da vida. Conjuga os verbos e os sentimentos. Há sempre promessas de adivinhações e sonhos flutuantes. A vida não se vai sem deixar vestígios mínimos e misteriosos, a memória não se cansa de buscar exílios impossíveis. Cada instante possui um peso e uma ilusão, traçamos mapas mesmo que […]






Share Read the rest of this entry »