Posts Tagged ‘trabalho’

As multidões e o consumo virtual: inquietudes cotidianas

Quase inexistem feriados como antigamente. Querer escutar o silêncio não é um desejo bem aceito nas grandes metrópoles. Há celebrações de dias santificados, de lutas conquistadas, de heróis nacionais, mas há sempre algo funcionando, uma venda, uma troca, uma cerveja, uma vadiagem pouco tensa. A cidade dividida produza certas confusões. Os bancos fecham, os shoppings […]

Read the rest of this entry »

A exaltação da quantidade, a perda da leveza

Quem escreve se comunica e recebe respostas, mesmo indiretamente. A escrita é uma longa conversa. Passa pelos movimentos do eu e suas questões. Somos, então, nossos primeiros leitores. Ficamos perplexos com afirmações que saem lá de dentro. Estavam trancadas, escondendo rebeldias ou decepções. Por isso, há raciocínios que se repetem. Os incômodos não abandonam quem […]

Read the rest of this entry »

As condições de trabalho, o emprego, a exploração

O Brasil passa por mudanças expressivas. Muito se tem falado da economia. Diante de tantos descontroles internacionais, há euforias soltas na imprensa e declarações entusiasmadas de governos. Não vamos nunca querer o pior. Celebrar os feitos traz ânimo. No entanto, não custa observar outras coisas, não deixar que certas desigualdades permaneçam e olhar com firmeza os […]

Read the rest of this entry »

A sociedade não esquece a exploração do trabalho

Nos seus Manuscritos Econômicos e Filosóficos, Marx escreve sobre o trabalho e sua importância para cultura. Dentro de uma perspectiva dialética, o trabalho transforma a natureza, altera as relações sociais, mas pode criar armadilhas que enfraquecem a solidariedade humana. A trajetória das relações sociais nunca garantiu harmonias perenes. A exploração se faz presente, com violência […]

Read the rest of this entry »

As máquinas invertem poderes e sentimentos

O texto é uma confissão. Por mais que esconda sentimentos, ele termina firmando resgistros íntimos. Cabe ao leitor usar da intuição. As ficções pertencem a todos. Cada coisa, que carrego, possui singularidades e entrelaçamentos. O texto escorrega, faz suas curvas, flui na rapidez da digitação. Não se engane com a preciosidade das máquinas. Na pressa, […]

Read the rest of this entry »

O céu tem cores, as ruas são das máquinas

  O sol possui, às vezes, um lugar soberano. As águas aparecem menos, depois  de tantos desmantelos. Resistem. O calor não perde, porém, tempo. Nuvens soltas e roupas mínimas. Nessas horas, procuram-se ventiladores e ar-condicionados. Uma obsessão. Muda-se de temperatura. Ninguém suporta expor-se aos brilhos do dia e refugia-se nas cavernas comerciais. O consumo ganha adeptos, quase espontâneos, e comemora seus êxitos. […]

Read the rest of this entry »