Posts Tagged ‘transcendência’

Todorov: o toque da beleza e da transcendência

Todorov enfrentou um desafio. Quis, talvez, procurar o sentido das suas experiências e narrar o seu passado  entrelaçado nas aventuras da arte. Contemplou o mundo com um cuidado precioso. Não elegeu o lugar comum, nem sacralizou a imaginação. Buscou-se em vários  espelhos, observou a diversidade e a relação forte com a vida de cada um. […]

Read the rest of this entry »

Transcendências e acasos

Há transcendências indefiníveis que lembram sonhos de eternidades. escritas que trazem desenhos nos corpos que se pensam imortais. A vida se inventa na história de cada um, nos acasos passageiros, seus enredos não aprisionam  a imaginação, são inacabados e frágeis. Não pense que o tempo terá um fim, nem julgue o mundo no infinito do […]

Read the rest of this entry »

Guimarães: os perigos que se arrastam pela vida

    A leitura de Guimarães Rosa é sempre um encontro mágico.As palavras fluem, mas arquitetam esconderijos. Nem sempre é fácil. Há metáforas que nos deixam no meio do caminho. No entanto, o poder de sedução é incrível. Rosa escreve prosa como um poeta maior. Os significados se renovam, não cansam. Ele descobre mundos com […]

Read the rest of this entry »

Os múltiplos significados de Melancolia

Richard Wagner podia ter composto a trilha sonora da criação do mundo. Seria fabulosa a dimensão dramática que daria a um espetáculo tão misterioso. Sua música densa toca no fundo do coração, provoca o ir e vir da transcendência. A beleza alimenta os sonhos que desenham figuras passageiras, mas sedutoras. É o encanto, com toda […]

Read the rest of this entry »

Cervantes e Agualusa: escritas do mundo

Miguel de  Cervantes escreveu uma obra que atravessou tempos. Não se acanhou com as mudanças nas análises linguísticas, nem com as teorias literárias. Seu personagem, D.Quixote, é fundante. Seus moinhos de vento, suas quimeras, seu parceiro de vida são inesquecíveis. Tudo para conquistar o amor de uma dama. Quem desafia algo tão sublime? Cervantes concebe […]

Read the rest of this entry »

O poeta não se fatiga com o tempo

  O lugar dos santos não é, apenas, no altar. Nem sempre precisam de templos. A sociedade elege suas crenças, no exercío das suas relações com o mundo. Há muitos mistérios  e dúvidas.  Não bastam os princípios religiosos, as infinitudes dos deuses. Os incomodos exigem olhares mais anônimos e concretos. Cada dia traz seus mitos […]

Read the rest of this entry »