Posts Tagged ‘utopias’

A sociedade não foge das divisões

    A intriga não é novidade, nem a bala perdida no asfalto uma boa diversão. Elas estão no cotidiano. A sociedade vive temerosa de novas  tempestades. São aflições doentias. Há um crescimento populacional que assusta. Não se divide os recursos materiais, não se tenta dá conta da miséria dos refugiados, mas se busca, nos […]

Read the rest of this entry »

Descole-se: os anjos usam motos velozes

Confiar nas utopias se tornou uma crença, pois os lutadores estão caindo na lona. Proclamaram-se revoluções, refizeram-se liberdades, esconderam-se violências. A chave da porta principal está perdida. A sociedade aumenta sua população sem encontrar regências harmoniosas para sua administração. Sacudiram os sentimentos no ar, em nome de razões ditas esclarecedoras. Os sistemas se implantaram buscando […]

Read the rest of this entry »

A quem pertencem as histórias e as inquietações?

Não vejo no mundo uma trilha que leve ao sossego.  Penso num instante que traria outro ritmo para respiração. A cultura está cercada de objetos e teorias. Há um desejo, talvez inexplicável, de decifrar a nudez das nossas vidas. Queremos histórias e narrativas que possam nos acudir. A carga das dúvidas é incomensurável. Ela existe […]

Read the rest of this entry »

As críticas, os saberes, os espaços de contraponto

Dizer que a sociedade é democrática como se sonhava é uma falta de olhar atento. As conquistas não foram poucas. As épocas possuem seus valores, mas também se luta para modificá-los. Nem sempre a resposta traz satisfações para maioria. Isso não é, apenas, da contemporaneidade. É uma travessia histórica e inquieta. Convive-se com incompletudes, daí […]

Read the rest of this entry »

Não pense, apenas, no sonho do paraíso (I)

A utopia não é descartável. Ela anima sonhos, nos tira do comum, nos faz pensar o impossível. Querer que tudo seja uma reprodução do real não transforma nada. É um canto da mesmice. Definir o real é um problema, como também buscar o traço definitivo da objetividade. Cada um lança um olhar mundo, muitas vezes, despretensioso. […]

Read the rest of this entry »