Posts Tagged ‘verdade’

No meio do mundo: as verdades e as mentiras

Há insistência na busca de verdade, desde o início da história.Existem os contrapontos. Não há uma verdade absoluta, embora muitos cantem o eterno. As suspeitas não desaparecem. As concepções de mundo se transformam de forma veloz, sobretudo no tempo que vivemos. Há dúvidas e subterrâneos  inundados por fantasias. A quantidade de meios de informações cria […]






Share Read the rest of this entry »

A solidão de Gabriel: cem anos míticos

As portas estão abertas. São ruas estreitas com ruídos inusitados. Quem fala são os juízes. Acusam quase todos os políticos. A corrupção é desmedida. O medo é cínico e o final pode ser feliz. É um sinal de uma solidão estranha. Todos se parecem, guardam milhões, a sociedade se desgarra. Todos juntos no mesmo ato, […]






Share Read the rest of this entry »

Ressentimentos: a política descosturada e narcísica

Usar a agressividade faz parte da convivência. Há, porém, extremos. Quando o diálogo morre, as palavras se perdem, cegam-se os olhos.  As ruínas continuam insistindo que a política não é uma harmonia. Cria-se um sonho que declina e termina assustando. Pode transformar-se numa violência estéril, anônima, em busca de inventar um medo que paralisa e […]






Share Read the rest of this entry »

Rebeldias e desencantos

Abro a gramática da rebeldia, vejo páginas rasgadas e verbos inativos. Ouço risos cínicos que inquietam e admitem a soberania da farsa. Não há como deixar de acreditar na contaminação, se  as palavras esvaziam significados e anunciam a tragédia. Há memórias desfiguradas, malabarismos estranho e uma perplexidade que festeja a ordem e o progresso, sem conhecer […]






Share Read the rest of this entry »

Quem sabe o caminho?

Entro na nostalgia para saber o que é a saudade. sinto-me refugiado nas avenidas da cidade. Não existe andarilho onde tudo é pressa, não há poema se a palavra escorrega. Sei que tenho um nome, mas não me pertenço, apenas observo que o céu azul ignora as nuvens, e estrelas desistiram de namorar com a noite. Faz […]






Share Read the rest of this entry »

O individualismo e as fronteiras possíveis dos sentimentos

  Ninguém deve dispensar as fantasias. A aridez deixa gosto, isola, cria apatias. Uma sociedade que cultiva tensões, estica raivas, pode se tornar um campo de guerra. Somos animais sociais e precisamos de entrar no universo dos sentimentos. Há ambiguidades, temores, vacilações. A complexidade nos visita com assiduidade. É um visionário quem espera por uma […]






Share Read the rest of this entry »

Verdades e significados

Não se cubra com verdades que são sempre diferentes, desconfie dos que se dizem absolutos, celebre a passagem do tempo. Anuncie a fragilidade de quem se encanta com os significados, sem escutar o som das palavras que nega profecias. Deixe Descartes cuidar do tempo que viveu e não esqueça de escrever o seu próprio discurso […]






Share Read the rest of this entry »

Os mitos e as histórias das sociedades

  A construção das regras sociais custa tempo. Não há uma harmonia que se estenda e pacifique todos. Na sociedade moderna, a complexidade é grande. Muita gente, objetos, compras e vendas, ambições soltas travam compromissos. Ninguém nega que existem rebeldias. A insatisfação é comum. As vitrines estão armadas para atender desejos. A velocidade tira o […]






Share Read the rest of this entry »

Quem desconfia da informação, quem se abraça com a história?

Minhas primeiras leitura me levaram para inquietações. Gostava de observar as magias e viajava na imaginação. Era uma abertura para fugir das mediocridades. Hoje, continuo seguindo as palavras. Sinto-me bem lendo e escrevendo. Mas a perplexidade não me abandona. Não consigo contemplar o mundo, armar sentidos e descansar. Sempre sou tomado por outras visões. O […]






Share Read the rest of this entry »

Solte-se da vida e do tempo, sem largar a ficção

A história que passa não está apagada. Quem vive o presente deve saber como complementar os tempos. Não se ligue só na mudança,  nem tampouco veja a mesmice em cada espelho. Nunca gostei de dizer que o que sei é que nada sei. É imenso o mundo. Alguma coisa me toca, não vivo flutuando sem […]






Share Read the rest of this entry »