Posts Tagged ‘verdade’

Ressentimentos: a política descosturada e narcísica

Usar a agressividade faz parte da convivência. Há, porém, extremos. Quando o diálogo morre, as palavras se perdem, cegam-se os olhos.  As ruínas continuam insistindo que a política não é uma harmonia. Cria-se um sonho que declina e termina assustando. Pode transformar-se numa violência estéril, anônima, em busca de inventar um medo que paralisa e […]

Read the rest of this entry »

Rebeldias e desencantos

Abro a gramática da rebeldia, vejo páginas rasgadas e verbos inativos. Ouço risos cínicos que inquietam e admitem a soberania da farsa. Não há como deixar de acreditar na contaminação, se  as palavras esvaziam significados e anunciam a tragédia. Há memórias desfiguradas, malabarismos estranho e uma perplexidade que festeja a ordem e o progresso, sem conhecer […]

Read the rest of this entry »

Quem sabe o caminho?

Entro na nostalgia para saber o que é a saudade. sinto-me refugiado nas avenidas da cidade. Não existe andarilho onde tudo é pressa, não há poema se a palavra escorrega. Sei que tenho um nome, mas não me pertenço, apenas observo que o céu azul ignora as nuvens, e estrelas desistiram de namorar com a noite. Faz […]

Read the rest of this entry »

O individualismo e as fronteiras possíveis dos sentimentos

  Ninguém deve dispensar as fantasias. A aridez deixa gosto, isola, cria apatias. Uma sociedade que cultiva tensões, estica raivas, pode se tornar um campo de guerra. Somos animais sociais e precisamos de entrar no universo dos sentimentos. Há ambiguidades, temores, vacilações. A complexidade nos visita com assiduidade. É um visionário quem espera por uma […]

Read the rest of this entry »

Verdades e significados

Não se cubra com verdades que são sempre diferentes, desconfie dos que se dizem absolutos, celebre a passagem do tempo. Anuncie a fragilidade de quem se encanta com os significados, sem escutar o som das palavras que nega profecias. Deixe Descartes cuidar do tempo que viveu e não esqueça de escrever o seu próprio discurso […]

Read the rest of this entry »

Os mitos e as histórias das sociedades

  A construção das regras sociais custa tempo. Não há uma harmonia que se estenda e pacifique todos. Na sociedade moderna, a complexidade é grande. Muita gente, objetos, compras e vendas, ambições soltas travam compromissos. Ninguém nega que existem rebeldias. A insatisfação é comum. As vitrines estão armadas para atender desejos. A velocidade tira o […]

Read the rest of this entry »

Quem desconfia da informação, quem se abraça com a história?

Minhas primeiras leitura me levaram para inquietações. Gostava de observar as magias e viajava na imaginação. Era uma abertura para fugir das mediocridades. Hoje, continuo seguindo as palavras. Sinto-me bem lendo e escrevendo. Mas a perplexidade não me abandona. Não consigo contemplar o mundo, armar sentidos e descansar. Sempre sou tomado por outras visões. O […]

Read the rest of this entry »

Solte-se da vida e do tempo, sem largar a ficção

A história que passa não está apagada. Quem vive o presente deve saber como complementar os tempos. Não se ligue só na mudança,  nem tampouco veja a mesmice em cada espelho. Nunca gostei de dizer que o que sei é que nada sei. É imenso o mundo. Alguma coisa me toca, não vivo flutuando sem […]

Read the rest of this entry »

Sabe contar ou perder uma história?

  Escutar o silêncio é uma arte. O mundo está cheio de ruídos e incompreensões. Não é só uma questão de linguagem. Os valores mudam em cada esquina, surpreendem, atraem. Querem quebrar teorias, afugentar deuses, multiplicar drogas e transformar o dinheiro num cristal insuperável. Todos possuem uma verdade para comentar. Mas quem ouve? Quem consegue […]

Read the rest of this entry »

Os sentimentos dão ritmos ao tempo

Quem observa a história não  se negar a olhar seus movimentos surpreendentes. Há repetições, muitos lutam pelas permanências e outros buscam as novidades. Difícil é conhecer como se formam as referências, qual o caminho a seguir, já que as diferenças são muitas. Portanto, os lugares dos tempos são moradias de ambivalências. Não adianta somar transparências, […]

Read the rest of this entry »