Posts Tagged ‘verdade’

As geometrias das verdades

  A forma acompanha as concepções de mundo. Quem pensaria a estética sem compreender a necessidade que temos de representar a vida e suas histórias? O que nos desafia é a quantidade incomensurável de situações enfrentadas e os tempos flutuantes de cada época. Não podemos viver sem escolher verdades mesmo que haja desconfianças ou que […]

Read the rest of this entry »

Italo Calvino: os pertencimentos flutuam?

O discurso da mudança faz sucesso. A questão é saber como será sua execução. Não queremos apostar no negativo. É importante que os caminhos sejam traçados sem tergiversações. Há muitas flutuações que marcam a política, depois da disputada campanha eleitoral. Tudo tem uma velocidade espantosa  ou a quebra das tradições trazem perturbações nas escolhas dos […]

Read the rest of this entry »

As vitrines flexíveis do facebook

  A sociedade move-se com inquietações. A campanha eleitoral trouxe muitas controvérsias. Motivos não faltaram para troca de argumentos densos e desconfianças explícitas. Ficam vestígios das questões e dos descontroles. Fazem parte das sociabilidades. No facebook, as conversas se estenderam cotidianamente com ritmos acelerados ou pacientes. Não poderia ser diferente. Mudam os meios de comunicação, […]

Read the rest of this entry »

Políticas, navegações, histórias

  Não se acostume com as verdades. Elas têm vida curta. Hoje, há discursos especializados que postulam garantir certezas.É bom observar que as mudanças são imprevisíveis. Os saberes pretendem, muitas vezes, substituir as crenças religiosas. Causam confusões, aproveitam-se de ingenuidades, cobram fidelidades. Não existem clarezas definitivas. A dúvida é companheira da história. Não significa que […]

Read the rest of this entry »

As incertezas reconfiguram o tempo

  Imaginar nos tira muitos pesadelos. Não significa que estamos ausentes dos medos, quando viajamos por mares desconhecidos. No mundo da invenção , aparecem também monstros. Não basta afirmar que o mundo seria outro se predominasse a exatidão. Os enganos vencem qualquer possibilidade de certeza. Por isso, há desmantelo que não é constante, no entanto […]

Read the rest of this entry »

1964: entre as “memórias” e as “verdades”

Não há história uniforme, sem discordâncias. O paraíso ficou misturado com as lendas e os mitos. Não desprezemos os pecados, mas sigamos costurando ações e sentimentos sem sabermos quando tudo isso terminará. Talvez, sejamos atores de um drama infinito, haja um escritor astucioso e transcendental. Não faltam espaços para especulações. Pensar a vida é sempre […]

Read the rest of this entry »

Massificação: o poder de manipulação mascara

A convivência não se faz sem diálogos. No entanto, os diálogos não se completam quando o interesse da manipulação domina. Podemos entrar em contradição, discordar, possuir concepções de mundo diferentes. Há sempre a insistência em citar a multiplicidade. Muitas práticas sociais  mudam, culturas se chocam e conflitos se estendem sem fronteiras. Os poderes se distribuem, […]

Read the rest of this entry »

A política das desconfianças e as versões confusas

Vivemos na era das notícias. Elas explodem. Chamam a atenção e atiçam conversas. O problema é saber qual a possibilidade de descobrir as verdades. Será que cabe essa palavra num mundo tão cheio de complexidade? Até  na aplicação da lei não faltam interpretações duplas. Quando se discutem as sentenças surgem desacordos que nos deixam para […]

Read the rest of this entry »

1964: história e memória, verdade e poder

A localização da verdade é, sempre, uma questão instável. A sociedade não vive sem conhecimentos, sem limites, sem estabelecer suas ordens e visualizar suas possibilidades. O jogo político influencia as escolhas. Ele está articulado com as tramas do poder. Não há neutralidade na política. Os compromissos são assumidos e fazem parte da construção da história. […]

Read the rest of this entry »

Quem imagina as revoluções e seus projetos?

A modernidade deu um nó nos tempos feudais. Trouxe um projeto renovador que foi se sedimentando, sem desprezar as tradições do passado. Não é possível pensar que tudo saiu da cartola de um mágico aposentado. Os gregos conseguiram reunir experiências que os construtores da modernidade não abandonaram. Houve rompimentos, mas muita coisa permaneceu. Mudam as vestes […]

Read the rest of this entry »