Posts Tagged ‘vida’

Como é estranho definir a história do amor!

    Quem desenha sua história, sempre esquece de alguma coisa. A história não existe para ser contada sem vazios. A falta é importante e a vida conversa com a incompletude. Seria impossível saber de tudo, construir a memória sem observar as ruínas. Os sentimentos chegam e vão, nunca são permanentes. Até a morte física […]

Read the rest of this entry »

Nas metáforas de Kafka: o humano de muitas formas

Quem se prende no homogêneo esgota a imaginação. O sossego é sempre passageiro. A vida contemporânea pede inquietação. Há mistura de formas, o invisível atiça a subjetividade e os dias ganham uma velocidade inesperada. Nem todos percebem. Daí, a história possuir atmosfera de acaso, mas não assombrar os apáticos. Há quem se debruce sobre o […]

Read the rest of this entry »

A solidão não silencia, transcende

  Há dias de recolhimento. A cidade parece um deserto. Poucos ruídos, gente com sono, sossegos passageiros. O sentimento de solidão se institui e dialoga com passados. Surgem lembranças. Observo que o tempo não poupa imagens. Não há sequência definidas, nem planejamentos conscientes. Tudo dialoga sem testemunhar milagres. Faz bem, mas mostra como o movimento […]

Read the rest of this entry »

Não desconte a sua história, abandone seu pecado

  Se é preciso contar sua história, não se envergonhe, Há  também maneiras de se esconder e fugir do que acontece. A história está cercada de mistérios, Isso não justifica mistificações, nem aproveitamento de tecnologias de sedução. O poder não se solta da coerção. A violência está globalizada. No entanto, a história não constrói um […]

Read the rest of this entry »

Os namoros do consumo de Narciso

    Quem é lúcido não deve ficar atrás de verdades absolutas. A sociedade exige que as convivências se multipliquem e surjam surpresas. Não dá para formular regras definitivas. A história caminha com vacilações. Muitos aprendem com os deuses , outros ficam envolvidos com a arte. Há quem siga as travessuras dos demônios. Ficar extático […]

Read the rest of this entry »

O afeto: celebrações fabricadas e ilusórias

    A solidão absoluta é uma mentira. Todos temos momentos de isolamentos. O que era a vida na época que Atenas desfrutava dos ensinamentos de Platão? O que é hoje o cotidiano marcado pelas máquinas e anseios? A história não escolhe caminhos , pode vacilar e cair em abismos. Não há destinos. A vida […]

Read the rest of this entry »

O sonho está na rua

Fechar a porta pode ter vários significados. Quem quer ir embora procura outra moradia e aventura se despedir da melancolia. Mas há alternativas diferentes. O sonho está na rua e não conheço seus esconderijos. Ele não é tão visível. As esquinas são perigosas, pois revelam que há dobras e encruzilhadas. O sonho foge, lança perfumes, […]

Read the rest of this entry »

A melancolia do zero

A MELANCOLIA DO ZERO Pegue o passaporte da viagem e escolha o desenho da fantasia. Não se entregue ao psicodélico, nem a droga que matou Hendrix. Não tome uma carona para Woodstook e relembre maio de 1968, esqueça um pouco da folia e ressuscite as utopias possíveis. Sinta que canhões assustavam crianças no Vietnam e permanecem na […]

Read the rest of this entry »

O inesperado da vida

Não confunda o sonho com a permanência da vida. O sonho pode ser um fantasmo perdido ou uma desilusão disfarçada por uma perda cruel. Não meça a vida, nem escolha caminhos retos, a verdade é curva e as pedras não se foram do  mundo. Cada um conta sua história sem saber o futuro, com lembrança […]

Read the rest of this entry »

O deus pecador

Encerre o tempo da mentira vadia e cínica. Destrave porta que se fechou para os amores e caminhe para a janela do quarto escuro. Não acredite que a vida se esgota, nem confie no visível da casa escura. Há sempre algo escondido, tropego, na mitologia que veste o nu do cotidiano. Os fantasmas andam sem […]

Read the rest of this entry »