Posts Tagged ‘vida’

O amor mora no incomum e se distrai no encantamento anônimo

  Mempo Giardinelli escreveu belos livros. Argentino, perseguido pelos militares, soube colocar suas dores na escrita. Conheci sua obra no século passado, por volta de 1980. Li seu apaixonante O Céu em minhas mãos. Fique extasiado. O coração batia com o ruído da travessia contada pelo autor. A escrita de Mempo é livre, com uma […]

Read the rest of this entry »

Ler a notícia, desmontar a máscara

  Não estranhe  sua perplexidade. O tempo veloz ensina pouco, cria dubiedades. As pessoas mudam, a política se estraga, a ingenuidade se fragiliza. É incomum um cotidiano sossegado. As tempestades se anunciam e as manhãs já se tornam nubladas. Muitas prisões, ataques ferozes, discursos vazios. Ficamos flutuando  em expectativas medonhas e preventivas. Quem são os […]

Read the rest of this entry »

Quem dialoga com a morte?

    A morte de Bibi deixou uma saudade imensa. Traz aquelas perguntas que abalam o coração, Bibi era uma figura indefinível, bela e sedutora Entrou na história com uma dignidade suprema. Soube ser sonho e arcanjo. Mas a morte nos deixa sempre inquietos.Toca lá dentro, transforma expectativas, nos enche de dúvidas. Ela acompanha a […]

Read the rest of this entry »

J.M. Coetzee e a despoetização do mundo da mesmice

  Há muitas história soltas. A vida sempre pede narrativas. Não há como limitá-las. A imaginação corre solta e o mundo contemporâneo sofre de peripécias desafiantes. Portanto, é preciso que surjam escritores, que as palavras não se inibam e que as aventuras tenham marcas. Coetzee é um viajante das existências inusitadas. Sacode reflexões e metáforas […]

Read the rest of this entry »

A sociedade adoece na mira da desconfiança política

    Se cada um se torna um inimigo em potencial, as relações se fragilizam rapidamente. A desconfiança pode aprofundar a instabilidade e criar um mapa aberto para violência. É claro que uma harmonia absoluta não existiu. Não conte uma história atravessando uma linha reta, num território cheio de anjos e paraísos. Estamos no mundo […]

Read the rest of this entry »

A armadura da tristeza: nada será como antes

  A vida não é uma porta aberta. Temos que fazer peripécias para conseguir enganar suas armaduras. A multiplicidade de situações exige criatividade. A cultura responde e tenta ultrapassar limites. Mas a sociedade não deixa de conviver com as frustrações. A questão não é, apenas, a finitude. O mundo é um territória que adota uma […]

Read the rest of this entry »

O descaso com a história

  Há um certo desprezo pelo história. Sente-se uma preguiça , um desconforto em falar de suas próprias histórias. Os meios de comunicação gostam de escândalos e denúncias. Não aprofundam. Promovem viagens curtas que não dialogam com a memória. É preciso criar contrapontos. Quando se deixa o passado de lado e vive-se o agora com […]

Read the rest of this entry »

Os diálogos do tempo: o imprevisível

  Todos buscam dominar as correrias do tempo. É uma ousadia. Ele, também, vive lentidões, brinca com a inquietude. Há minutos quase intransponíveis. O tempo traz um fluxo de imaginação incrível, A sua marca está presente nos corpos, nos objetos, na natureza. Contam-se os dias. os segundos, os séculos. Mas as dúvidas continuam. A história […]

Read the rest of this entry »

Como é estranho definir a história do amor!

    Quem desenha sua história, sempre esquece de alguma coisa. A história não existe para ser contada sem vazios. A falta é importante e a vida conversa com a incompletude. Seria impossível saber de tudo, construir a memória sem observar as ruínas. Os sentimentos chegam e vão, nunca são permanentes. Até a morte física […]

Read the rest of this entry »

Nas metáforas de Kafka: o humano de muitas formas

Quem se prende no homogêneo esgota a imaginação. O sossego é sempre passageiro. A vida contemporânea pede inquietação. Há mistura de formas, o invisível atiça a subjetividade e os dias ganham uma velocidade inesperada. Nem todos percebem. Daí, a história possuir atmosfera de acaso, mas não assombrar os apáticos. Há quem se debruce sobre o […]

Read the rest of this entry »