Posts Tagged ‘vida’

As aventuras e os amores

Desenhe os caminhos escondidos da vida, não trema, nem vacile, medite com ânimo. Siga o caminho com mais curvas, evite a reta, o sentimento despojado. Ande sem temer o fantasma do eterno, deixe os anjos levitarem anônimos. O amor não se encontra na esquina, nem se faz na solidão do banco da praça. O amor […]

Read the rest of this entry »

Italo Calvino: um dia de convivências e reflexões

Escrever sobre as experiências vividas traz um toque singular. Não deixa de haver fantasia e interpretações. Tudo passa por filtros e enganos. Não somos amigos da exatidão e a subjetividade possui suas invenções. Calvino tem uma escrita ímpar e uma vasta obra. Lamento que não seja lido como merece. Ele é um dos meus arcanjos. […]

Read the rest of this entry »

O mito de Ulisses: a vida não se completa

As agitações contemporâneas nos tiram sossego. É difícil cair na reflexão, dialogar com os deuses, sair de uma solidão que enclausura. Há multidões, espetáculos, vitrines. No entanto, a tecnologia e o consumismo restringem os desafios. Ficamos medrosos. Tudo parece reservar perigos. O mundo vive epidemias de desconfianças. As explorações não se foram e a sabedoria […]

Read the rest of this entry »

Repartir a vida( para Luís)

Repartir a vida na travessia do inesperado, desfaz as amarguras e as suspeitas das dúvidas. Não há encantos em sentimentos disfarçados, as perdas nos deixam alucinados em busca da certeza. As luzes não estão  acesas e a escuridão nos mete medo. Há um desejo que a saudade invente outro tempo e cada passo recomponha futuros […]

Read the rest of this entry »

Gabriel e a solidão que se torna perene

  Li Gabriel García Márquez cedo. Dei conta de boa parte de seus livros com alegria e encantamento. Quando li Cem anos de solidão fiquei levitando. Nunca tinha navegando por mares tão belos. Há dois livros que me empolgam e não canso de celebrar suas palavras: As cidades invisíveis e Cem anos de solidão. A […]

Read the rest of this entry »

O mundo freudiano

Desfaça a alegria fabricada e a insensatez dos juízes ensandecidos. Descobra o manto que escondeu o tempo e a vida que se foi para o abismo. O mundo se perde no pequeno caos da arrogância, deixa-se levar pelas formas das mercadorias. Não grite por ninguém,  apague a luz da lâmpada azul e espere os anjos […]

Read the rest of this entry »

Os azares da vida quebrada

Não conto os números que a anunciam a miséria, detesto estatísticas de economistas considerados profetas. Não consigo entender o encanto dos privilégios, nem acreditar que Deus é construtor de paraísos. Há espelhos sem imagens e quebrados com fúria, há sedes alimentadas com as águas do pântano. Os azares do mundo se envolvem com gravidades obscuras, […]

Read the rest of this entry »

A esquina e a vida, os amores e os gritos

Encontrei a vida numa esquina abandonada. Lembrei-me da noite triste e de um pesadelo longo. Desenhei o tempo, senti lonjura, fechei os olhos ardentes. Vi que nunca sou o mesmo e o afeto me abraça quando tenho medo. Há amores desfeitos nos gritos históricos e ocupações tardias que anunciam espaços inesperados e redefinidos. O mundo […]

Read the rest of this entry »

Os esconderijos da paixão

O calor do corpo é o início da paixão, e não a aventura sem nome e sem destino. Cada olhar solto significa um encontro, o tempo se entrelaça radicalmente com o desejo. A história do sentimento é uma crença, não suporta, porém, dogmas e apatias. A paixão não se faz com o silêncio, nem concilia […]

Read the rest of this entry »

Não desocupe a subjetividade

Estamos num momento raro. Muitas polêmicas, agressividades, ironias, devaneios. Percebo no cotidiano que a tensão não diminui. A instabilidade incomoda, os governos pensam e planejam a opressão. Volta o famoso patrulhamento ideológico, a polícia atua de forma ostensiva. Vivemos um estado de exceção?  Falta clareza, mas as ambições continuam amplas e satisfazem os desejos da […]

Read the rest of this entry »