Posts Tagged ‘vida’

O mito de Ulisses: a vida não se completa

As agitações contemporâneas nos tiram sossego. É difícil cair na reflexão, dialogar com os deuses, sair de uma solidão que enclausura. Há multidões, espetáculos, vitrines. No entanto, a tecnologia e o consumismo restringem os desafios. Ficamos medrosos. Tudo parece reservar perigos. O mundo vive epidemias de desconfianças. As explorações não se foram e a sabedoria […]

Read the rest of this entry »

Repartir a vida( para Luís)

Repartir a vida na travessia do inesperado, desfaz as amarguras e as suspeitas das dúvidas. Não há encantos em sentimentos disfarçados, as perdas nos deixam alucinados em busca da certeza. As luzes não estão  acesas e a escuridão nos mete medo. Há um desejo que a saudade invente outro tempo e cada passo recomponha futuros […]

Read the rest of this entry »

Gabriel e a solidão que se torna perene

  Li Gabriel García Márquez cedo. Dei conta de boa parte de seus livros com alegria e encantamento. Quando li Cem anos de solidão fiquei levitando. Nunca tinha navegando por mares tão belos. Há dois livros que me empolgam e não canso de celebrar suas palavras: As cidades invisíveis e Cem anos de solidão. A […]

Read the rest of this entry »

O mundo freudiano

Desfaça a alegria fabricada e a insensatez dos juízes ensandecidos. Descobra o manto que escondeu o tempo e a vida que se foi para o abismo. O mundo se perde no pequeno caos da arrogância, deixa-se levar pelas formas das mercadorias. Não grite por ninguém,  apague a luz da lâmpada azul e espere os anjos […]

Read the rest of this entry »

Os azares da vida quebrada

Não conto os números que a anunciam a miséria, detesto estatísticas de economistas considerados profetas. Não consigo entender o encanto dos privilégios, nem acreditar que Deus é construtor de paraísos. Há espelhos sem imagens e quebrados com fúria, há sedes alimentadas com as águas do pântano. Os azares do mundo se envolvem com gravidades obscuras, […]

Read the rest of this entry »

A esquina e a vida, os amores e os gritos

Encontrei a vida numa esquina abandonada. Lembrei-me da noite triste e de um pesadelo longo. Desenhei o tempo, senti lonjura, fechei os olhos ardentes. Vi que nunca sou o mesmo e o afeto me abraça quando tenho medo. Há amores desfeitos nos gritos históricos e ocupações tardias que anunciam espaços inesperados e redefinidos. O mundo […]

Read the rest of this entry »

Os esconderijos da paixão

O calor do corpo é o início da paixão, e não a aventura sem nome e sem destino. Cada olhar solto significa um encontro, o tempo se entrelaça radicalmente com o desejo. A história do sentimento é uma crença, não suporta, porém, dogmas e apatias. A paixão não se faz com o silêncio, nem concilia […]

Read the rest of this entry »

Não desocupe a subjetividade

Estamos num momento raro. Muitas polêmicas, agressividades, ironias, devaneios. Percebo no cotidiano que a tensão não diminui. A instabilidade incomoda, os governos pensam e planejam a opressão. Volta o famoso patrulhamento ideológico, a polícia atua de forma ostensiva. Vivemos um estado de exceção?  Falta clareza, mas as ambições continuam amplas e satisfazem os desejos da […]

Read the rest of this entry »

Ocupar as travessias

A vida repartida solta-se como um pássaro livre, inventa, levita, testemunha a abertura do sonho. Não fique na acumulação, nas restrições da quantidade, nem negue que há possibilidades para fugir da monotonia. Cada travessia possui um ritmo, um ruído, às vezes, estranho, mas despedaça o arcaico e assombra as violências. Há em cada aventura algo […]

Read the rest of this entry »

Escândalos fugidios

Não compartilho os vestígios dos amores fugidios, o espaço da dor nunca deve ser cortejado e animado. Recriar a vida não é silenciar o ruído e a queixa do que se foi, cada tempo sobe escadas assombradas se livrando dos sustos. Acendo a luz que não faz desparecer as sombras da passado, sou testemunho dos […]

Read the rest of this entry »