Posts Tagged ‘vida’

Aquarius: a navegação de Clara e a memória inquieta

Clara navega, não anda. Tem o corpo aceso. Ver o mundo por um espelho incomum. Resiste, sem adormecer na resistência. Movimenta-se dialogando com sua memória. Fica firme na sua história, sem sonhar com a ameaça do pecado original. Não teme, mas julga. Sabe que a vida pode estar em outro lugar e que, hoje, a […]

Read the rest of this entry »

Sartre e Simone: a saudade e a existência

Gostaria de inventar um calendário que abraçasse todas as minúcias do tempo. É apenas um sonho, uma distração, para evitar melancolias. O tempo nos arrasta, desafia, corre. Portanto, restam especulações. As distâncias ditam saudades, mas há também indiferenças. Quantas paixões desaparecem sem deixar vestígios? Apesar do imenso domínio das regras e dos controles, a história não […]

Read the rest of this entry »

O mundo atordoado e impossível

O mundo é invadido por desenganos contínuos e perversos. Não há como acreditar que as salvações ressurjam. que a generosidade crie espaços, no tumulto  do ódio. A história não produz a mudança que significa o encontro, os abismos despedaçam corpos, anunciam  fins e catástrofes. É difícil contemplar a vida, quebrar os espelhos malditos. inventar o sossego, […]

Read the rest of this entry »

Almodóvar, Julieta, Ulisses: navegações

Pouco sei sobre os rigores da crítica cinematográfica. No entanto, estou sempre comentando os filmes e decifrando coisas que me tocam. Fazia tempo que não frequentava os cinemas. Não me sentia atraído. Uma fase de reflexão interior, caseira, escutando a própria voz. A existência constrói suas trilhas e temos que avistar suas pedras, planícies, paisagens […]

Read the rest of this entry »

O amor e o corpo: vida

Se o amor estranha o movimento do corpo, o afeto se desfaz e os fragmentos se encolhem nervosos. A rapidez da vida está na gravidez do sonho impossível. O desejo esconde o infinito anônimo, a singularidade das estrelas solitárias. Não deixe que o amor risque o impossível, compreenda-se e fuja, nem que as travessias sejam […]

Read the rest of this entry »

A busca de sempre

As perdas não esgotam as possibilidades, o mundo está aberto para indefinições e retomadas. Não há traçado, mas um inesperado que surpreende, um ressurgir de magias em busca de mitos e de fantasias. Cada época recolhe travessias, inventa futuros, não sossega e não projeta o último perdão. As mortes desanimam vidas inseguras, as vidas recompõe […]

Read the rest of this entry »

As cores do mundo e do pecado

Pinto o corpo com as cores que estão soltas no mundo, elas descrevem os destinos, mas desconhecem a eternidade. Na profecia do engano, há sempre o mito envelhecido e distraído, sem contar a sua história, vadio como uma borboleta apaixonada. Não diga o que o tempo representa, nem que Picasso desenhava sonhos, deixe os outros […]

Read the rest of this entry »

” Vou seguindo pela vida…”: travessias e simulações

Quem pode se esquecer de Milton cantado Travessia? Muita beleza, encanto e a emoção como uma brisa enebriante. Há poemas que marcam instantes e viram eternidades. Com tanta confusão não custa soltar-se das novidades pesadas, deixar Cunha, Temer, Jucá e tantos outros, e respirar outras energias. Quando as tensões se avolumam, a sociedade fica embrigada […]

Read the rest of this entry »

O tempo instável e indefinido

Envergue a dor que inventou a tristeza, não jogue fora a alegria que refez o sorriso, sem alarde. Há memórias insuportáveis e fantasmas do juízo final, despreze-os. Pense no circo medonho que feriu o palhaço, solitário e aflito. e espante a vida migrante que desmancha a sociedade. Abrace o tempo que reinventa o humano  e […]

Read the rest of this entry »

As cores da vida solta

Busque no encontro das cores o desenho da vida que não se apaga, converse com Dali, Frida, Picasso, Matisse, Da Vinci, Andy Warhol. Não entre no espaço da violência que derruba a história e arruína o sentido. Há voos que são cegos, há verdades que se traem, há políticas que se escondem. Não despreze a […]

Read the rest of this entry »