Transcendências e acasos

Há transcendências indefiníveis que lembram sonhos de eternidades.

escritas que trazem desenhos nos corpos que se pensam imortais.

A vida se inventa na história de cada um, nos acasos passageiros,

seus enredos não aprisionam  a imaginação, são inacabados e frágeis.

Não pense que o tempo terá um fim, nem julgue o mundo no infinito do desejo.

A solidão confessa que existem segredos que não captamos,

que os sentimentos se vestem de saudades com cores e formas indeterminadas.

Não se canse com a dúvida, nem se inquiete com o pesadelo inexplicável.

Sinta que a imagem do antigo espelho talvez seja a síntese dos seus limites,

os desprezos e os desesperos muitas vezes são máscaras de fantasias envelhecidas.

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>