Verdades e significados

Não se cubra com verdades que são sempre diferentes,

desconfie dos que se dizem absolutos, celebre a passagem do tempo.

Anuncie a fragilidade de quem se encanta com os significados,

sem escutar o som das palavras que nega profecias.

Deixe Descartes cuidar do tempo que viveu e

não esqueça de escrever o seu próprio discurso do método.

Olhe com cuidado para deuses que se vendem,

apague imagens que só existem nas vitrines.

Não descanse, acusando a extensão da multiplicidade,

compreenda a medida da ambiguidade e o cinismo de deuses globalizados.

Sinta o corpo, relativize, desligue-se de Platão saindo da caverna,

a solidão não se alimenta da escuridão anônima.

A ingenuidade pode ser um gesto de ironia, desconverse.

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>