Leituras e sombras

Não leia a gramática da violência,

nem subestime a fabricação dos discursos.

Há juízes que assumem palavras vazias e

descobrem que eles desconhecem o sensível.

As sombras vestem as histórias confusas,

indefinem a vida e enaltecem o pecado.

Deite-se na imaginação da rebeldia,

conte as formas das cores dos exilados,

não dispense a coragem e o olhar da paixão.

As mentiras transformam informações,

gostam de aprofundar abismos,

fecham as portas dos labirintos.

Há uma interrogação naquilo que não foi acabado.

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

Deixe uma resposta

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>