Posts Tagged ‘tempo’

A partida do sonho

A violência parte os sonhos e desfaz os afetos no fluir do cotidiano. Parece que a história não se movimenta, nem busca o fim dos limites. Há angústias que se somam e desesperos que inibem a rebeldia. Cada canto do mundo se enche de ruídos e fantasmas inesperados. corta-se o corpo, quebra-se o encanto, maltrata-se […]

Read the rest of this entry »

Histórias vermelhas e desadormecidas.

Existe uma rosa vermelha num vazio imenso. inventando a cor onde nem mora a saudade. Nem conto as palavras, nem me ligo no passado, sei que ando evitando esquinas, cruzando ruas envelhecidas pelas memórias. A eternidade tem o tamanho dos pesadelos assustadores, o perfume da valsa do adeus de um amor perdido. Sinto que cada […]

Read the rest of this entry »

A dúvida é magia

As memórias chegam e vão em busca de partidas que não tragam saudades, porém não há como escapar das artimanhas das ausências e do peso de não ser único. Desvendar a trilha é voltar no tempo, sem se fixar nas artificialidades do futuro, nas astúcias das profecias que datam o juízo final e as idades […]

Read the rest of this entry »

As imagens e os sentimentos

As imagens nos espelhos fixam olhares infinitos. É impossível ter a medida das saudades e envolver sentimentos soltos. Há impossibilidades que sustentam os anseios das eternidades tardias. Não se preocupe com as permanências, a vida não tem regras limitadas. Tudo poderia se vestir com o azul e a loucura voar como um pássaro. Os tempos […]

Read the rest of this entry »

Quem se esconde no tempo e na história?

  Debater sobre o tempo é sempre acirrar polêmicas. O historiador não pode recusar que existem tradições, envelhecimentos, aventuras, desprezos… Os sentimentos passam, as arquiteturas mudam, as escritas significam palavras. As mudanças são visíveis. Estamos acostumados com os calendários, não dispensamos os relógios, os números dos segundo nos cercam. Quantos séculos de histórias vividas, quantos […]

Read the rest of this entry »

A curva da solidão

Não queira a solidão que se retrai e se envolve com medos perenes. Pense que a vida não é apenas o fluir das interioridades escondidas. Nas histórias vividas há encontros que não se vão e saudades que buscam permanências e afetos encantados, brincando com calendários impossíveis. As ambiguidade soltas não são testemunhas do acaso, das […]

Read the rest of this entry »

A nudez da cada tempo

Cada dia traz uma expectativa que não se desenha com firmeza. Parece que a incerteza não consegue sair da vida, nem deixar o mundo. O que não se completa transforma o sentimento, entra no fôlego cotidiano e a história se passa conjugando instabilidades e profecias. A nudez veste as dores que surpreendem as alegrias efêmeras […]

Read the rest of this entry »

O dualismo inquieto: o bem e o mal

  Pensar uma programação para a história é uma aventura sem retorno. As incertezas são tantas que atormentam qualquer  feiticeiro do futuro. Não sabemos qual a aposta que nos livrará dos sufocos cotidianos. Existem as concepções de mundo, todos escolhem seus caminhos, mas com as indeterminações que não conseguem controlar. A sociedade viveu revoluções, acreditou […]

Read the rest of this entry »

Os tempos insanos

O instante vadio toma conta das sínteses mais radicais, parece um tempo absoluto e construtor de paraísos. Os calendários adormecem quando escondem rebeldias e fixam desejos de apresentar limites desfigurados. Somos estranhos nos exílios das horas de amargura, multiplicamos palavras para simular agonias finais. Nem sabemos que a morte é a distância e a vida […]

Read the rest of this entry »

O medo acompanha a história?

As novidades são constantes e ousadas. A ansiedade contemporânea não permite descanso. Renova os desejos com rapidez indisfarçável. Quando nada existe de concreto que assombre com sua tecnologia, surgem os boatos políticos e a mídia investe nas novelas dramáticas e comportamentos “exóticos”. É preciso que haja muitos espelhos, pois a vaidade veste o Narciso que […]

Read the rest of this entry »