Posts Tagged ‘afeto’

Os namoros do consumo de Narciso

    Quem é lúcido não deve ficar atrás de verdades absolutas. A sociedade exige que as convivências se multipliquem e surjam surpresas. Não dá para formular regras definitivas. A história caminha com vacilações. Muitos aprendem com os deuses , outros ficam envolvidos com a arte. Há quem siga as travessuras dos demônios. Ficar extático […]

Read the rest of this entry »

O afeto: celebrações fabricadas e ilusórias

    A solidão absoluta é uma mentira. Todos temos momentos de isolamentos. O que era a vida na época que Atenas desfrutava dos ensinamentos de Platão? O que é hoje o cotidiano marcado pelas máquinas e anseios? A história não escolhe caminhos , pode vacilar e cair em abismos. Não há destinos. A vida […]

Read the rest of this entry »

A solidão é companheira do mundo

  Vejo multidões nos estádios de  futebol. Cantam, gritam, se emocionam. É uma grande festa com cores e geometrias inesquecíveis. Tudo parece um paraíso com celebração deslumbrantes. A festa passa. A ressaca surge. Os segredos pessoais continuam. Há sempre um retorno à solidão. Há pressa e desconforto quando o outro se aproxima. Será que vivemos […]

Read the rest of this entry »

Que afeto se mantém no mundo fragmentado?

  O desmanche da cultura ocidental não é tema novo. Uma visita aos pensadores do século XIX me lembra muita coisa. Nietzsche, Marx, Schopenhauer e tanto outros me mostravam a quebra de valores. O capitalismo crescia rapidamente sempre favorecendo às minorias ricas. As tradições se esfarrapavam com as aristocracias respirando com dificuldades. É claro que […]

Read the rest of this entry »

O afeto negado

Contar a história do afeto negado traz a vastidão dos sentimentos. Não há vida sem o outro, e a solidão é sempre uma passagem. Não se atormente com o silêncio, nem negue o desejo de partir. Nada está imóvel no mundo, tudo pede perdão e descanso. Quem  afasta a perda, desconhece seu desencanto, mas não […]

Read the rest of this entry »

A praça , a vida, a dança

Há um desenho na esquina com cores vermelhas, é um anúncio anônimo de quem se esqueceu d0 mundo. Sentados nos bancos, há sonhos de esfomeados que desconhecem o amanhã. Os cães, perfumados, acompanham seus donos e medem afetos especiais, como se a vida se transformasse sem observar a imagem do que se foi, como se os […]

Read the rest of this entry »

A depressão e as festas virtuais: o balanço da desconfiança

Estamos envolvidos por notícias assustadoras. Não sabemos se vai aparecer alguma luz. Denúncias se multiplicam,  golpes com identidades renovadoras se afirmam. O debate é mesmo inquietante. Portanto, os ânimos assustam, pois há comportamentos fascistas e corruptos soltos ditando normas. Tudo é confuso, os julgamentos vacilam e a sociedade vive desmanche de instituições. Mas fechamos os […]

Read the rest of this entry »

As tensões: “Narciso acha feio o que não é espelho.”

Quando a desconfiança toma conta do cotidiano e as pessoas começam a preencher seus vazios afetivos com a luta política, alguma coisa está perturbando. A política é importante, envolve a vida, se confunde com crenças religiosas, consegue esconder desacertos e espalhar incompletudes. No mundo invadido pelo desamparo, a complexidade se assanha. Análises superficiais ganham urgência. […]

Read the rest of this entry »

AFETIVIDADE

Ame o sentimento do inacabado e a tristeza fugidia. Firme-se na aventura que não foi vivida. Esqueça o desejo de exercer o cinismo. Tema o golpe construído na madrugada do pesadelo. Invente a cor que proteja os pássaros inquietos. Viva o tempo despreocupado com a eternidade vadia. Instale uma luz no barco da fuga inesperada. […]

Read the rest of this entry »

Quem se lembra dos refugiados?

  Fico olhando a sociedade e não me esqueço que o mundo gira. Não basta cuidar das nossas artimanhas e falar mal dos políticos. Há acontecimentos e relações profundamente globalizadas. Contágios desagradáveis de sofrimentos e perdas de rumo perturbam. Cunha é uma figura estranha, as delações levantam desacertos, a dubiedade invade os espaços sagrados. Isso […]

Read the rest of this entry »