Posts Tagged ‘cotidiano’

De quem é a festa? De quem é a máscara?




O carnaval está no ponto. Muita animação que se amplia na mídia. Parece que  haverá uma mudança radical. Mas o carnaval possui máscaras, esconderijos fantásticos. Fica uma ressaca imensa. A alegria se apressa ou a cachaça se vai. Dizem que tudo é permitido. Pura ilusão. Há repressões e limites, embora as portas abertas ajudem a […]




Share Read the rest of this entry »

O Apartamento: as imagens da vida cotidiana




  As dores não passam como um cometa. Persistem. Há dúvidas que machucam e tradições que confundem. Nada de novo no planeta na sua marcha das competições e das vinganças. Um bom filme sintetiza anos de história e traz as sequências instáveis do cotidiano. Não desculpa tensões, mas move ideias e imaginações. A cultura é […]




Share Read the rest of this entry »

A farsa cotidiana da história sem rumos




Os embrulhos são abertos com rituais escandalosos. Trazem novidades ou repetem as farsas de sempre? Tudo se parece com um cenário de um teatro gigantesco cheio de atores ambiciosos e individualistas. Não dá para distinguir se é permitido ter ética ou se a farsa recorre aos domínios da hipocrisia. Delatar e denunciar, confundir e amedrontar. […]




Share Read the rest of this entry »

Condenações cotidianas




Os lugares não se mudam, as permanências mostram espelhos do passado, armados e tensos. Por onde anda o mundo com a presença sem fim das tragédias, com a desconfiança solta? As novidades mostram que as fragmentações não se afugentam e a a vida corre sem saber o sentido da origem, convivendo com o que parecia […]




Share Read the rest of this entry »

Política e capitalismo: suspeições, artimanhas, redenções




A situação não está apenas confusa. Ela se espalha, transforma a badalada globalização numa sucessão de artimanhas e inseguranças. Sempre desconfiei da ideia de progresso. Observar evolução, numa sociedade cheia  de cartórios, é algo que não convence. Ninguém nega as conquistas tecnológicas surpreendentes.Mas a ciência está  misturada com interesses, não se foca nos benefícios, não […]




Share Read the rest of this entry »

O poder cotidiano da mídia




Quem desconhece que a cultura tem seus limites com certeza se encontra atordoado. É possível se inventar sonhos e até imaginar um mundo sem inquietações vingativas. Os paraísos existem para aliviar o cansaço da velocidade dos desejos. Mas o canto da ilusões não engana a todos. Serve para enfraquecer as tensões. A sociedade se multiplica, […]




Share Read the rest of this entry »

O mundo das exclusões cotidianas




Conviver traz controvérsias. A diversidade nos visita. Os estranhamentos são comuns. Há sociabilidades que facilitam afetos, mas há também muita disputa e fascismos ocultos em generosidades disfarçadas. Buscar anular as diferenças é negar a cultura. Com toda a massificação não há como firmar homogeneidades e unir desejos. O jogo é amplo e as ilusões existem […]




Share Read the rest of this entry »

As violências: significados e especulações




As expectativas fazem parte da história, sobretudo na construção da modernidade. Elas bordaram otimismos sonhados, trouxeram movimentos inusitados, mas a sociedade continua respirando a poluição da desigualdade. Ela se estica pelo mundo globalizado. Muitos sugerem que há ineficiência dos governos e um convívio com gestões mal planejadas. As teorias são sofisticadas e dançam com o […]




Share Read the rest of this entry »

As múltiplas cidades e seus perten(cimentos)




  As cidades desafiam planejamentos. A diversidade invade seus cotidianos. Surgem sociabilidades junto com nostalgias. A moda é uma grande mistura. Mas não há como cessar os diálogos , nem os conflitos. Há concepções de mundo que recordam séculos religiosos, há preconceitos inesperados, há ficções científicas que entusiasmam apocalipses. Portanto, é difícil definir, traçar linhas […]




Share Read the rest of this entry »

As rebeldias e as ocupações: leituras e ousadias




A sociedade se move, porque é preciso refletir e não se intimidar com o cotidiano. Os exageros do consumo, as ambições imobiliárias, as vaidades intelectuais, as ingenuidades solitárias fazem parte da história. Não dá para construir um divisão fixa e apostar numa uniformidade produtora de harmonias. O mundo não se cansa de multiplicar relações e […]




Share Read the rest of this entry »