Posts Tagged ‘Memória’

A memória não se aquieta

    Fico pensando nas coisas que aparecem e depois se vão. Há teorias efêmeras, outras fazem sucesso e se fixam como decifradores das histórias. Portanto, a moda acompanha as trajetórias. Nem sempre é a qualidade que dita os rumos. Tudo tem uma complexidade que só aumenta. Muitas culturas se confrontando, muitas tradições sendo ameaçadas […]

Read the rest of this entry »

Quem compra a vida e não mede a dor?

  Aceitar as fragilidades é desafio. Queremos fixar memórias cheias de glória. Criam-se discursos que não dispensam as mentiras e buscam inventar ilusões. Desde as lendas do paraíso que a história não é, apenas, travessia linear, mas fugas de dificuldades crescentes. A capacidade de trabalhar, de formular sociedade com ordens estabelecidas não cessam de formar […]

Read the rest of this entry »

A memória manipulada: a perda do amanhã?

  Não há como negar que, no mundo das informações, as notícias se multiplicam de forma assustadora. Desfilam versões que defendem astúcias armadas ou se inventam ídolos programados. O conceito de verdade, aliás, se estraga. Vale o sensacionalismo. Há assuntos que atraem e investem na possível nudez da vida privada. O compromisso com as provas […]

Read the rest of this entry »

O deboche é um sinal de fascismo

  Tudo pode ser dito. Não há censura clara e a crítica faz bem a reflexão. Mas as palavras estão balançando numa rapidez sem fim. Poucos querem pensar. Preferem curtir o deboche. Não é o humor. São afirmações que disfarçam posições e prometem confundir. Leia o que proclamam os pastores vendedores da salvação. Aproximam-se de […]

Read the rest of this entry »

As ressacas da política: a conversa difícil

  Nada de novo no pedaço das tantas querelas políticas. Houve épocas de acirramentos e de debates não pacíficos. Gurras e perseguições. Hoje, as relações voltaram, porém, a esquentar. É complexo estabelecer uma conversa, quando se trata das medidas políticas. Há uma cegueira generalizada. As raivas e os argumentos pesados substituem a lucidez. Todos se […]

Read the rest of this entry »

A memória veste a história e a escolha política

  A política fica presente no cotidiano. Há decisões. Apela-se para lucidez, evita-se o engano. Mas não sou infalível, nem existe o absoluto. Tenho concepções de mundo, decepções, entusiasmos, desistências. Não é fácil governar a subjetividade. Muitas informações atravessam as conversas e as mentiras se misturam com as possíveis verdades. A sociedade gosta de espetáculos, […]

Read the rest of this entry »

Você conhece Hitler?

    A história possui um movimento que desafia. Há contradições, lamentos, dissidências. Mas somos sujeitos da história. Há quem fuja, se diga neutro e busque navegar em riqueza individualista. Não podemos querer uniformidades. Existem escolhas. O importante é não perder as memórias das violências que retornam e ameaçam o cotidiano. Viver o aqui e […]

Read the rest of this entry »

O descaso com a história

  Há um certo desprezo pelo história. Sente-se uma preguiça , um desconforto em falar de suas próprias histórias. Os meios de comunicação gostam de escândalos e denúncias. Não aprofundam. Promovem viagens curtas que não dialogam com a memória. É preciso criar contrapontos. Quando se deixa o passado de lado e vive-se o agora com […]

Read the rest of this entry »

A história move ideias: as mulheres na inquietação

  Fala-se de tudo. Contam-se muitas histórias. Os homens aparecem promotores de grandes movimentos. Eles parecem ter o domínio da história. Aliás, deus é um substantivo masculino. Não é à toa. As mudanças, geralmente, querem trazer certas rupturas. A palavra revolução ganha espaço na modernidade. Um conceito que inquietou, trouxe salvacionismos, não deixou de sacudir […]

Read the rest of this entry »

O fogo da memória, a memória do fogo

  A cultura não desparece como um cometa. Ela se guarda na memória. Sua força é incomensurável. São tradições que se tocam, anos vividos, solidariedades, tristezas, descuidos. Somos cultura. Nosso corpo possui registros dos anos passados. Não dá para riscar o tempo da história. Seria um absurdo, um suicídio. Por aqui, os incêndios são comuns. […]

Read the rest of this entry »