Posts Tagged ‘sentimento’

Os esconderijos da paixão

O calor do corpo é o início da paixão, e não a aventura sem nome e sem destino. Cada olhar solto significa um encontro, o tempo se entrelaça radicalmente com o desejo. A história do sentimento é uma crença, não suporta, porém, dogmas e apatias. A paixão não se faz com o silêncio, nem concilia […]






Share Read the rest of this entry »

A felicidade mora na minha esquina?

Caminho pela rua. Fico observando quem passa, o movimento dos carros. Sinto uma invasão de ruídos e a perplexidade de que a vida se vai. Não tem como segurar o tempo. Ele costuma aprontar. Isso não muda. Lembro-me das histórias de Ulisses, vejo alguém pedindo socorro e mais um celular solto no chão. Gritaria, suspense, […]






Share Read the rest of this entry »

Sartre e Simone: a saudade e a existência

Gostaria de inventar um calendário que abraçasse todas as minúcias do tempo. É apenas um sonho, uma distração, para evitar melancolias. O tempo nos arrasta, desafia, corre. Portanto, restam especulações. As distâncias ditam saudades, mas há também indiferenças. Quantas paixões desaparecem sem deixar vestígios? Apesar do imenso domínio das regras e dos controles, a história não […]






Share Read the rest of this entry »

Galeano: a memória companheira da história

Os livros de Galeano são provocantes. Sua escrita é bela e poética. Desmente aquela rigidez dos que dormem nos documentos oficiais e exaltam o fato positivista. Conta histórias com simplicidade, sem esquecer o compromisso coletivo.No seu coração , bate o ritmo da rebeldia contra as desigualdades. Galeano nos mostra os avessos e os contrapontos. Quem […]






Share Read the rest of this entry »

O vasto mundo dos traços

Não deixe a página em branco solta na mesa como um esponja. Abandone a sua preguiça e escreva a sua ultima perda como o roteiro de um filme, sem usar máscaras, sem derramar lágrimas, sem destilar melancolias, sem medos. As histórias existem para ser contadas e celebradas, com fantasias inesperadas. apesar das incertezas que correm […]






Share Read the rest of this entry »

A solidão e o cansaço do último deus

Responder as perguntas que aparecem, lembram divertimentos. É difícil sair por aí, ouvir as conversas, escutar os mistérios, ver os rostos desconfiados e guardar-se. Dá vontade de duvidar que há continuidade na vida, se tudo não é uma flutuação tola ou viagem do acaso. Vou e torno-me numa armadura medieval. As pessoas se falam, mas […]






Share Read the rest of this entry »

As incertezas e as estrelas

Quem se cansa da travessia do mundo, desiste de enfrentar a complexidade, se esconde. Não há certeza definida, o tempo é veloz, não desiste do escândalo e do desconhecido. Não revele sua agonia em qualquer esquina, não desperdice o abraço desesperado. Somos o que traçamos desenhos sem querer determinar juízo ou profecias, a vida não […]






Share Read the rest of this entry »

Cartografia: sentimentos soltos

Existem tristezas que correm o mundo, numa busca de esconderijos perfeitos. Nada pode se revelar quando os conflitos guardam vinganças passadas e desesperos sem cores. Cada passo é a aproximação de um abismo sombrio, nomeando a  solidão da divindade esquecida. O desenho das imagens perdidas lembram desaventuras, moradias de espaços opressores e vazios. A cartografia […]






Share Read the rest of this entry »

Histórias vermelhas e desadormecidas.

Existe uma rosa vermelha num vazio imenso. inventando a cor onde nem mora a saudade. Nem conto as palavras, nem me ligo no passado, sei que ando evitando esquinas, cruzando ruas envelhecidas pelas memórias. A eternidade tem o tamanho dos pesadelos assustadores, o perfume da valsa do adeus de um amor perdido. Sinto que cada […]






Share Read the rest of this entry »

As imagens e os sentimentos

As imagens nos espelhos fixam olhares infinitos. É impossível ter a medida das saudades e envolver sentimentos soltos. Há impossibilidades que sustentam os anseios das eternidades tardias. Não se preocupe com as permanências, a vida não tem regras limitadas. Tudo poderia se vestir com o azul e a loucura voar como um pássaro. Os tempos […]






Share Read the rest of this entry »