Posts Tagged ‘deuses’

O desengano dos deuses




Quem adormece na eternidade esquece o que criou e se perde num sonho inacabado e destruidor. Não pense que os  deuses se inquietam, mas estão tontos , como se houvessem se descuidado do tempo. Há sinais de que o mundo se apavora e  fecha as portas, há sinais de que os labirintos estão cheios de […]




Share Read the rest of this entry »

Bolsonaro: a memória incomoda




  Não esqueçamos de acontecimentos que decidiram nossa época. Não fiquemos parados no presente deslumbrados com  intrigas inexplicáveis. Há memórias, experiências marcantes. É preciso aprender sempre. Não estamos acabados, nem nunca estaremos. Não espere que os deuses desçam do céu. Eles negam a agressividade e curtem paraísos. Nós frequentamos um mundo, que dispara novidades, embriagado […]




Share Read the rest of this entry »

Fascismo: a travessia do cinismo e da violência




  Quem inventa notícia, inventa história. Não se trata de debater sobre a verdade e a mentira. Elas estão submersas numa escuridão profunda. A sociedade luta, muda de lado, sente saudades de Marx, mas se lembra de Hitler. A violência não se vai, pois encontra abrigo na Turquia, na Síria, na França, no Brasil… A […]




Share Read the rest of this entry »

Estou por aqui




Pergunto ao tempo o que me incomoda, não me interesso pela resposta, nem me sinto contemplado. Observo que a agonia da incompletude cria  a cultura, e que há regras que levarão depois ao desatino. Desestabeleço medidas e apago fingimentos, com firmeza, nada mais cruel do que um espelho sem moldura mínima. Visito a moradia das […]




Share Read the rest of this entry »

O peso do dia




O peso do dia não revela sua medida, o tempo esconde segredos e sentimentos. Não há como desfazer as diferenças que se fixam, nem afirmar o sentido que está atrás do espelho. Os deuses se acomodam em paraísos privados, estimulam a culpa e o perdão, estão perdidos. A vida passa desenhando distâncias cínicas, o corpo […]




Share Read the rest of this entry »

O caos sem resposta




No caos que desmonta o infinito a mentira monopoliza os desejos sem destino. A escolha é jogo quando os valores apagam as crenças e acumulam o lixo, o espelho que prende o segredo se parte como uma escultura maldita. Não pense que cada passo é a história buscando saberes, o delírio da verdade embriagada, não […]




Share Read the rest of this entry »

Encantamentos soltos




Não deixe que o cerco do não empurre sua vida para o abismo. Corte o excesso, visite a serenidade, encante-se com o bem-querer. Cada dia é um anúncio que, magicamente, a vida continua e as travessias guardam segredos que podem amedrontar. Há no futuro desconhecido uma profecia que definirá os tempos, não deseje adivinhá-la, se […]




Share Read the rest of this entry »

O meu silêncio é o meu ruído?




  A indiferença é sempre um disfarce. Queremos fugir de certas controvérsias, mas a neutralidade não existe. O muro não está firme e balançamos. Somos artistas do acaso. Alguns sofisticados buscam teorias para justificar seus malabarismos e seus talentos. É um território repleto de vaidades, onde a felicidade se torna uma fantasia permanente. Não adianta […]




Share Read the rest of this entry »

Os mitos circulam na história




Não pense que a história está escrita e nós somos seus atores privilegiados. É bom viajar na imaginação. Talvez, haja outros seres circulando num universo tão repleto de complexidades. As explicações , apenas, amenizam as dúvidas mais radicais. Tudo termina ficando na corda bamba, mesmo que os acadêmicos estimulem verdades e pretensões. Andar pelas travessias […]




Share Read the rest of this entry »

Os tempos insanos




O instante vadio toma conta das sínteses mais radicais, parece um tempo absoluto e construtor de paraísos. Os calendários adormecem quando escondem rebeldias e fixam desejos de apresentar limites desfigurados. Somos estranhos nos exílios das horas de amargura, multiplicamos palavras para simular agonias finais. Nem sabemos que a morte é a distância e a vida […]




Share Read the rest of this entry »