Posts Tagged ‘multiplicidade’

O que sei é o que sei e você?




Não compartilho com a famosa afirmação de que o que sei é que nada sei. Sócrates tinha razões, vivia outros tempos, firmava suas confidências. Sei e vejo muitas coisas, embora não negue as fragilidades. Há interpretações múltiplas. Vagamos no meio de tantos conhecimentos. E as novidades das informações? Portanto, as certezas querem se manter, mas […]




Share Read the rest of this entry »

Fidel: a morte não apaga, aproxima




Toda sociedade enfrenta  confrontos e estimula diferenças. Pensar sempre a mesma coisa é melancólico. Não haveria história se as músicas repetissem e consagrassem um único ritmo. Pareço-me com os outros, mas tenho minha travessia. Não há história homogênea. As histórias se soltam e  abraçam as culturas. Sempre incompletos,  não pudemos dispensar ajudas. Fingimos segurança para […]




Share Read the rest of this entry »

As costuras e os avessos do facebook: esconderijos virtuais




A sociedade acelera sua comunicação. Fala com o mundo, sinto uma proximidade que cerca cada um. Mas nem tudo amplia o afeto. Muita tecnologia torna a proximidade duvidosa. Lembro-me das cartas. Leitura longa, cheia de interrupções com histórias tocantes. Era animador esperar, abrir o envelope, olhar as letras e ler as aventuras ou lamentos. Hoje, o […]




Share Read the rest of this entry »

A longa trilha do sentido: a poeira do mundo




Quem estuda história gosta da falar do tempo. Possui, muitas vezes, uma visão seca e positivista, mas não deixa de se enquadrar nas famosas fases que marcaram as aventuras humanas mais grandiosas. Sou desconfiado. Estudo e ensino história levitando. Olho outras coisas. Observo as ambiguidades, as violências, as mitologias, todas cheias de dúvidas crescentes. Há […]




Share Read the rest of this entry »

As identidades múltiplas e confusas




Não há como prever sentidos numa sociedade múltipla, agoniada com suas culturas de cores indefinidas. Tudo se mistura. Buscamos referências na histórias que vivemos.Mas adianta cultivar memória pessoais. A solidão não é o fim da sociabilidade. É um momento que indefine saídas e produz controvérsias. Não damos conta do que pensamos com segurança, nem temos […]




Share Read the rest of this entry »

Os sustos da vida e do mundo




Especular uma história que tenha origens e sentidos determinados é alvo de muitas polêmicas. Fica difícil seguir linhas e conjugar sentimentos tão diversos. Situamos lugares privilegiados para sentir o peso da cada vida ou de cada tempo. Não dá para deixar de tocar nos outros ou desconhecer as complexidades. Muita gente se afasta das contradições, […]




Share Read the rest of this entry »

As celebrações, os sentimentos, as diferenças




    Viver a vida como um desfile apático é perder a multiplicidade do sentimento. As alegrias têm muitas cores e as escolhas marcam diferenças. Nem todos celebram jogos, outros se preocupam com as desigualdade sociais e fazem da política um espaço único para consolidar suas afetividades. Não dá para resumir a complexidade da história, […]




Share Read the rest of this entry »

As travessias da dor desfiam sentimentos e futuros




Falar da dor é ocupar muitos lugares do cotidiano. Todos tem algo a contar. Há especialistas. Não precisa. A dor está inserida na incompletude da vida. Descontrola e surpreende. Mas não há como evitá-la. Basta uma visita rápida pela história e encontraremos travessias esquisitas e desencontros avassaladores. Portanto, não há sentido especular que épocas merecem […]




Share Read the rest of this entry »

As histórias: as fragmentações que sacodem o mundo




  Dividimos o tempo para melhor entendê-lo. No entanto, há também certo pragmatismo. A complexidade social exige atenção, pois não há como acabar com as lutas políticas. Elas ganham conteúdos estranhos para quem pensava num progresso de uma ordem solidária. O perfume dos cargos é o encanto maior. Falam de prejuízos, de perdas, porém, na […]




Share Read the rest of this entry »

Complexidade e massificação: as misturas culturais




Reclamamos das desigualdades que permanecem marcando a sociedade contemporânea. Não precisa ter olho grande para observar que a divisão social termina por provocar misérias e amarguras. No entanto, não se deve esquecer que as tecnologias e os conhecimentos científicos trouxeram reflexões importantes. Não há , portanto, um movimento único. Encontramos desacertos, corrupções, desmontagens de afetos. […]




Share Read the rest of this entry »