Posts Tagged ‘multiplicidade’

Fidel: a morte não apaga, aproxima




Toda sociedade enfrenta  confrontos e estimula diferenças. Pensar sempre a mesma coisa é melancólico. Não haveria história se as músicas repetissem e consagrassem um único ritmo. Pareço-me com os outros, mas tenho minha travessia. Não há história homogênea. As histórias se soltam e  abraçam as culturas. Sempre incompletos,  não pudemos dispensar ajudas. Fingimos segurança para […]




Share Read the rest of this entry »

As costuras e os avessos do facebook: esconderijos virtuais




A sociedade acelera sua comunicação. Fala com o mundo, sinto uma proximidade que cerca cada um. Mas nem tudo amplia o afeto. Muita tecnologia torna a proximidade duvidosa. Lembro-me das cartas. Leitura longa, cheia de interrupções com histórias tocantes. Era animador esperar, abrir o envelope, olhar as letras e ler as aventuras ou lamentos. Hoje, o […]




Share Read the rest of this entry »

A longa trilha do sentido: a poeira do mundo




Quem estuda história gosta da falar do tempo. Possui, muitas vezes, uma visão seca e positivista, mas não deixa de se enquadrar nas famosas fases que marcaram as aventuras humanas mais grandiosas. Sou desconfiado. Estudo e ensino história levitando. Olho outras coisas. Observo as ambiguidades, as violências, as mitologias, todas cheias de dúvidas crescentes. Há […]




Share Read the rest of this entry »

As identidades múltiplas e confusas




Não há como prever sentidos numa sociedade múltipla, agoniada com suas culturas de cores indefinidas. Tudo se mistura. Buscamos referências na histórias que vivemos.Mas adianta cultivar memória pessoais. A solidão não é o fim da sociabilidade. É um momento que indefine saídas e produz controvérsias. Não damos conta do que pensamos com segurança, nem temos […]




Share Read the rest of this entry »

Os sustos da vida e do mundo




Especular uma história que tenha origens e sentidos determinados é alvo de muitas polêmicas. Fica difícil seguir linhas e conjugar sentimentos tão diversos. Situamos lugares privilegiados para sentir o peso da cada vida ou de cada tempo. Não dá para deixar de tocar nos outros ou desconhecer as complexidades. Muita gente se afasta das contradições, […]




Share Read the rest of this entry »

As celebrações, os sentimentos, as diferenças




    Viver a vida como um desfile apático é perder a multiplicidade do sentimento. As alegrias têm muitas cores e as escolhas marcam diferenças. Nem todos celebram jogos, outros se preocupam com as desigualdade sociais e fazem da política um espaço único para consolidar suas afetividades. Não dá para resumir a complexidade da história, […]




Share Read the rest of this entry »

As travessias da dor desfiam sentimentos e futuros




Falar da dor é ocupar muitos lugares do cotidiano. Todos tem algo a contar. Há especialistas. Não precisa. A dor está inserida na incompletude da vida. Descontrola e surpreende. Mas não há como evitá-la. Basta uma visita rápida pela história e encontraremos travessias esquisitas e desencontros avassaladores. Portanto, não há sentido especular que épocas merecem […]




Share Read the rest of this entry »

As histórias: as fragmentações que sacodem o mundo




  Dividimos o tempo para melhor entendê-lo. No entanto, há também certo pragmatismo. A complexidade social exige atenção, pois não há como acabar com as lutas políticas. Elas ganham conteúdos estranhos para quem pensava num progresso de uma ordem solidária. O perfume dos cargos é o encanto maior. Falam de prejuízos, de perdas, porém, na […]




Share Read the rest of this entry »

Complexidade e massificação: as misturas culturais




Reclamamos das desigualdades que permanecem marcando a sociedade contemporânea. Não precisa ter olho grande para observar que a divisão social termina por provocar misérias e amarguras. No entanto, não se deve esquecer que as tecnologias e os conhecimentos científicos trouxeram reflexões importantes. Não há , portanto, um movimento único. Encontramos desacertos, corrupções, desmontagens de afetos. […]




Share Read the rest of this entry »

Quem vive sem as profecias e as ilusões?




O tempo está sempre nos cercando. Ficamos contemplando a sua passagem, sem saber defini-lo, mas sentindo que o corpo envelhece e que a sociedade procura outros comportamentos. Não seria exagero afirmar que tudo possui uma idade. Há costumes seculares. Há convivências rápidas que nem deixam vestígios. Nem todo perdão significa esquecimento. Não fugimos de confusões […]




Share Read the rest of this entry »