Posts Tagged ‘solidão’

Há dores e tormentos na solidão escondida

  As exigências são muitas e elas percorrem o cotidiano. As pessoas perguntam, mas também se escondem. As competições pedem máscaras de todas as cores. A sociedade se torna espaço de uma crescente hipocrisia. Valem disfarces assustadores. Há quem curta estar sempre bem composto, vendendo sorrisos e afastando  qualquer ideia pessimista. O labirintos não tem […]

Read the rest of this entry »

A sociedade do desempenho: solidão, desamparo, deboche

      O  capital pede trabalho, mas tende a desqualificá-lo. Busca-se uma alternativa para que tudo funcione sem abalar a situação dos que ganham muito. Há planos, desmentidos, jogos de peças inesperadas. A sociedade pode ser vista com várias cores, não há como olhar o mundo e submetê-lo a restrições imutáveis. Um caminhada pelas […]

Read the rest of this entry »

J.M. Coetzee e a despoetização do mundo da mesmice

  Há muitas história soltas. A vida sempre pede narrativas. Não há como limitá-las. A imaginação corre solta e o mundo contemporâneo sofre de peripécias desafiantes. Portanto, é preciso que surjam escritores, que as palavras não se inibam e que as aventuras tenham marcas. Coetzee é um viajante das existências inusitadas. Sacode reflexões e metáforas […]

Read the rest of this entry »

A pressa digita as aflições nos celulares

  É comum o apego pelos celulares. Eles resolvem questões, são mágicos, provocam delírios. As crianças se divertem e manipulam suas fantasias. Não se pode destruir os sentidos de renovação. Quebra galhos imensos, torna idiotas gênios, ajuda a ganhar eleições e buscar amores perdidos. Quem não gosta de uma máquina tão astuciosa? E o outro […]

Read the rest of this entry »

A violência é histórica e expande-se

  Muitos mitos retratam violências fundantes. Nem sempre, significam uma renovação para derrubar preconceitos ou refazer práticas sociais generosas. A sociedade sonha com paraísos, mas convive com artimanhas imperiosas. Há fomes frequentes, desde os tempos mais remotos. Grupos disputam espaços como quadrilhas. Não há inocências angelicais predominando a história. Muitas religiões defendem vinganças, acumulam patrimônios, […]

Read the rest of this entry »

A solidão e a beleza: as respostas do mundo

  Admitir a solidão parece ser uma aventura que nem todos conseguem enfrentar. Vivê-la pode causar transtornos e caminhos para depressão. Mas muitos artistas negam os ruídos e se entregam ao silêncio. Nada é absoluto, mas não custa escutar a voz na sua intimidade maior. Assim pensava Rilke. Ele não queria mudanças no mundo. Procurava […]

Read the rest of this entry »

Quem não ver o exílio e a ditadura de cada dia?

A modernidade trouxe referências do passado, mas prometia mudar. Queria revoluções, mas aconteceram genocídios. A violência tomou outra forma. A política não conseguiu navegar no mar da liberdade. Os tempos produziam  máquinas, ciências, urbanizações. O grito do progresso parecia apagar os sinais de desigualdades. A modernidade não cumpriu seu projeto. Acenou com democracias e nem […]

Read the rest of this entry »

A aldeia global gira a solidão

    A sociedade gosta das novidades. Não aprofunda a razão da inquietação constante. Não observa a superficialidade do mundo das mercadorias. Passeia pela rua com medo da violência e se refugia na lojas para se distrair e sonhar com o consumo. O cotidiano é melancólico, porque há muitas permanência e poucas ousadias. As novidade […]

Read the rest of this entry »

A solidão não silencia, transcende

  Há dias de recolhimento. A cidade parece um deserto. Poucos ruídos, gente com sono, sossegos passageiros. O sentimento de solidão se institui e dialoga com passados. Surgem lembranças. Observo que o tempo não poupa imagens. Não há sequência definidas, nem planejamentos conscientes. Tudo dialoga sem testemunhar milagres. Faz bem, mas mostra como o movimento […]

Read the rest of this entry »

O afeto: celebrações fabricadas e ilusórias

    A solidão absoluta é uma mentira. Todos temos momentos de isolamentos. O que era a vida na época que Atenas desfrutava dos ensinamentos de Platão? O que é hoje o cotidiano marcado pelas máquinas e anseios? A história não escolhe caminhos , pode vacilar e cair em abismos. Não há destinos. A vida […]

Read the rest of this entry »